Perspectiva

Compressão: mito ou verdade?

  • "Auto retrato" com a EOS 5DII + EF 24-105mm f/4L IS USM em 35m. Mudando a distância focal e a distância da câmera (portanto, a perspectiva), os elementos ganham outra proporção.
  • "Escada" com a EOS 5DII + EF 15mm f/2.8 Fisheye em f/71. 1/15 ISO800. Debruçados sobre a grade conseguimos uma composição dramática desta escada.
  • "Laguna" com a EOS 5DII + EF 200mm f/2L IS USM em f/10 1/125 ISO100. Composição geométrica com elementos da natureza.

Olá, amiguinhos do blog do zack. Hoje quero falar de um termo que sempre uso nos reviews das lentes mas é pouco entendido pela maioria de vocês, a “compressão de perspectiva”. É um assunto relativamente controverso porque na teoria não existe; não passa de uma ilusão de óptica que temos em algumas imagens. Mas na prática podemos dizer que há uma “técnica” e aplicá-la da maneira correta pode melhorar algumas de nossas fotos. Vamos entender melhor?



O MITO

A “compressão de perspectiva” é um termo usado para falar da aparência que as fotos com lentes telephoto tem sobre a proporção dos planos da imagem. É aquela “sensação” que tudo está achatado, ou que o fundo está mais próximo do sujeito. É um mito porque em qualquer lente ou distância focal a perspectiva ficará intacta quando mantermos a mesma distância da cena.

"Yosemite" com a EOS 60D + EF 24-70mm f/28L IS USM em f/11 1/250 ISO100 @ 24mm.

“Yosemite” com a EOS 60D + EF 24-70mm f/28L IS USM em f/11 1/250 ISO100 @ 24mm.

"Yosemite" com a EOS 60D + EF 24-70mm f/2.8L USM em f/11 1/125 ISO100 @ 70mm

“Yosemite” com a EOS 60D + EF 24-70mm f/2.8L USM em f/11 1/125 ISO100 @ 70mm

Ampliando o centro da primeira imagem em 24mm (esquerda), notamos que a composição é idêntica a da direita, que foi em 70mm.

Ampliando o centro da primeira imagem em 24mm (esquerda), notamos que a composição é idêntica a da direita, que foi em 70mm.

PERSPECTIVA

Perspectiva é como usamos as linhas do quadro para representar a profundidade tridimensional da realidade (3D) nas imagens bidimensionais que vemos no papel ou na tela do computador (2D). Desta forma é possível reproduzir a impressão de dimensão das coisas e peça fundamental da fotografia. Você tem de dominar a perspectiva quando quiser brincar com a composição, dinamizar o quadro, ou reproduzir fielmente a realidade.



"Ubud" com 5DII + EF 17-40mm f/4L USM em f/8 1/125 ISO400 @ 400. Nada mais chato que uma composição "point and shoot".

“Ubud” com 5DII + EF 17-40mm f/4L USM em f/8 1/125 ISO400 @ 400. Nada mais chato que uma composição “point and shoot”.

"Ubud" com a EOS 5DII + EF 17-40mm f/4L USM em f/8 1/800 ISO400 @ 17mm; abaixando no nível do chão a perspectiva muda e a cena fica mais dinâmica.

“Ubud” com a EOS 5DII + EF 17-40mm f/4L USM em f/8 1/800 ISO400 @ 17mm; abaixando ao nível do chão a perspectiva muda e a cena fica mais dinâmica.

Para tanto o fotógrafo tem de esforçar, participar da cena, rolar no chão... :-)

Para tanto o fotógrafo tem de se esforçar, participar da cena, descer o barranco, rolar no chão… :-)

PERSPECTIVA EM RETRATOS

Mas qual a importância de dominar a perspectiva? Bom, várias coisas. Sabe aquela frase maldosa “de longe todo mundo é bonito?”. Pois é, não deixa de ser verdade principalmente em fotografias! Mantendo uma distância generosa do sujeito e fechando o enquadramento com lentes telephoto, a perspectiva poderá ser muito mais carinhosa com as facetas humanas. Orelhas não parecerão tão grandes; o nariz ficará menor; e os dois olhos serão praticamente do mesmo tamanho em poses três-quartos. Nos exemplos a seguir vamos mudar a distância focal e a distância da câmera em cada quadro, portanto mudando a perspectiva:

"Auto retrato" com a EOS 5DII + EF 17-40mm f/4L USM em 17mm. No grande angular os objetos próximos da câmera ficam maiores; daí esta testa gigante fora de proporção.

“Auto retrato” com a EOS 5DII + EF 17-40mm f/4L USM em 17mm. No grande angular os objetos próximos da câmera ficam maiores; daí a testa gigante.

"Auto retrato" com a EOS 5DII + EF 24-105mm f/4L IS USM em 35m. Mudando a distância focal e a distância da câmera (portanto, a perspectiva), os elementos ganham outra proporção.

EF 24-105mm f/4L IS USM em 35m. Mudando a distância focal e a distância da câmera (portanto, a perspectiva), os elementos ganham outra dimensão.

Agora em 50mm a testa fica ainda menor, mais proporcional em relação ao resto da cabeça.

Agora em 50mm a testa fica ainda menor, mais proporcional em relação ao resto da cabeça.

Testo

Por fim em 135mm a câmera está tão longe do sujeito que a perspectiva fica muito mais atraente; note como o nariz está pequeno!

17mm vs. 135mm. Para retratos mais agradáveis, fique longe do sujeito e use distâncias do telephoto (acima dos 85mm).

17mm vs. 135mm. Para retratos mais agradáveis, fique longe do sujeito e use distâncias do telephoto (acima dos 85mm).

PERSPECTIVA NO DIA A DIA

Também podemos aproveitar a perspectiva para criar fotos mais interessantes. Não tem nada pior que simplesmente apontar a câmera para frente e esperar uma foto bacana, não vai acontecer. E isto é especialmente ruim com lentes grande angulares e um uso “errado”, elas não foram feitas para “caber tudo”, e sim para exaltar a perspectiva. Devemos chegar perto, deitar no chão, subir nas coisas… Nós fazermos a foto ficar interessante, e não depender do equipamento!

"Z4M" com a EOS 5DII + EF 17-40mm f/4L USM em f/4 1/160 ISO100 @ 17mm. Próximo do chão e as linhas deste carro ficam muito mais interessantes.

“Z4M” com a EOS 5DII + EF 17-40mm f/4L USM em f/4 1/160 ISO100 @ 17mm. Próximo do chão e as linhas deste carro ficam muito mais interessantes.

"Escada" com a EOS 5DII + EF 15mm f/2.8 Fisheye em f/71. 1/15 ISO800. Debruçados sobre a grade conseguimos uma composição dramática desta escada.

“Escada” com a EOS 5DII + EF 15mm f/2.8 Fisheye em f/71. 1/15 ISO800. Debruçados sobre a grade conseguimos uma composição dramática desta escada.

E A TAL “COMPRESSÃO”?

Afinal a “compressão de perspectiva” é somente uma ilusão do nosso cérebro sobre a dimensão dos elementos da cena. E eu vou continuar falando o termo sobre lentes telephoto? Sim, vou. Elas podem melhorar muito a aparência de algumas fotos, tanto tecnicamente (maior resolução) quanto criativamente (composições forçadas pela distância longa).

"Laguna" com a EOS 5DII + EF 200mm f/2L IS USM em f/10 1/125 ISO100. Composição geométrica com elementos da natureza.

“Laguna” com a EOS 5DII + EF 200mm f/2L IS USM em f/10 1/125 ISO100. Composição geométrica com elementos da natureza.

Paisagens são o meu exemplo principal porque podemos gerar composições interessantíssimas de cenas a priori monótonas, como pedras, montanhas e campos. Só fechar num espaço pequeno da cena para brincar com a relação de tamanho das coisas, sem mostrar elementos que não colaboram com a foto. Também os arquivos maiores são mais detalhados, e não perdem a qualidade como as ampliações dos arquivos do grande angular.

"Ushuaia" com a EOS 5DII + EF 70-200mm f/4L USM em f/8 1/500 ISO100 @ 200mm. Ampliando o centro da imagem reproduzimos a proporção real das coisas.

“Ushuaia” com a EOS 5DII + EF 70-200mm f/4L USM em f/8 1/500 ISO100 @ 200mm. Ampliando apenas o centro da imagem reproduzimos a proporção real.

Deu para entender o que é a tal “compressão de perspectiva”, ou melhor, como usar a perspectiva para mudar os resultados? Sim, a “compressão” é um mito porque a ilusão será a mesma em qualquer lente, grande angular ou objetiva. Mas trabalhar de longe, exigência do telephoto, melhora a aparência de algumas composições, e o “corte” óptico da lente gera arquivos de alta resolução. Já procurar ângulos diferentes, trabalhando a perspectiva, é chave para criar fotos mais interessantes no grande angular. Agora vocês sabem. :-) Abraços, amiguinhos!