Sony FE 28mm f/2

Curinga no lineup FE

  • Sony FE 28mm f/2

Julho/2015 – A FE 28mm f/2 é a primeira objetiva prime full frame intermediária da Sony para o E-mount. Fora da linha premium ZA ou do topo G, ela chega com o preço de US$449 e é a única opção prime first party pra quem não pretende gastar uma fortuna no novo formato. Anunciada em fevereiro de 2015 na CP+, ela vem engordar o lineup raquítico do FE, agora com dez objetivas nativas desde o lançamento em 2013. Como funciona? Vamos descobrir! (english)



CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO

Sony FE 28mm f/2

Em 64x60mm de 200g, a FE 28mm f/2 valida a proposta “mirrorless” de um sistema compacto e fácil de usar. Pequena e curta, ela equilibra bem com a Sony A7II por ser leve e a pegada nas mãos fica justa, diminuta, como uma mini DSLR nas mãos. A ergonomia faz sentido neste caso: se usadas em modo totalmente automático, sem ajustar os dials, o conjunto fica gostoso de segurar, sem nada longe do alcance. Os obros ficam flexionados com as mãos tão próximas, mas é a ideia.

Sony FE 28mm f/2

O design minimalista é parecido a linha “ZA”, mas faz de tudo para “empobrecer” o segmento de entrada. Vai embora o emblema azul da Zeiss e magicamente aparece um pedaço de plástico brilhante na frente. A parte traseira do corpo é do mesmo alumínio gelado da FE 55 ZA, mas na frente o acabamento brilhante é “barato”. As marcações de especificação são decalcadas ao invés de gravadas no metal, e o look “cheap” fica evidente. Continua bonita, mas não tão bem acabada.

Mas combina com o look discreto da A7II, sem incomodar na rua.

Do lado de fora o único controle é o anel de foco manual, totalmente eletrônico como a FE 55 ZA. E vou repetir os mesmos problemas: é praticamente impossível usá-lo com precisão sem hard stops ou janela de distância, e no grande angular é ainda mais difícil dizer que alguma coisa está acontecendo. A Sony espera que você se vire com o AF ou com o peaking, incompatível com quem quer “revolucionar” o mercado fotográfico. Menos não é mais quando falamos de uma ferramenta.

Sony FE 28mm f/2

Na frente o thread de filtros é estranho porque é mais fundo que o elemento frontal, e a rosca termina abaixo do primeiro vidro. Com filtros grossos, com certeza as duas peças encostarão, então tomem cuidado. Mas este espaço está ali para encaixar os tais “conversores” Wide e Fisheye, que adicionam mais $249 e $299 a conta. São estas decisões que não fazem sentido na Sony: eles comprometem o uso com filtros mas abrem espaço para vender acessórios. Really?

Sony FE 28mm f/2

Do lado de dentro o motor linear de foco é tão silencioso e rápido que questiono o esforço da Canon em vender os USM e o STM (ou mesmo a Nikon com o SWM). O AF das Sony FE são rápidos mas silenciosos, completamente quietos em comparação as concorrentes. E com a Sony A7II é veloz e preciso: apertou, focou, sem caçar. Dá pra confiar e se virar tranquilamente com esta Alpha pelo menos em modo single shot, para fotos espontâneas na rua.

“Naked Cowboy” com a Sony A7II + FE 28mm f/2 em f/8 1/125 ISO100.

“Naked Cowboy” com a Sony A7II + FE 28mm f/2 em f/8 1/125 ISO100.

 Crop 100%, nailed focus!

Crop 100%, nailed focus!

Dentro o projeto óptico é complexo com nove elementos em oito grupos, sendo três deles asféricos (um “advanced”, que imagino ser híbrido) e duas peças UD. A abertura de nove lâminas é redonda para um bokeh teoricamente mais suave. E diz a Sony que a construção tem weather sealing, mas, de novo, sem vedação no mount. Ela vale os US$449 e se comporta bem nas mãos, sem firúlas para encantar o fotógrafo. Você fica livra pra pegar e usar, sem grandes expectativas.



QUALIDADE DE IMAGEM

“Yoga” em f/2 1/4000 ISO100.

“Yoga” em f/2 1/4000 ISO100.

Todas as fotos com a Sony A7II. Alguns arquivos raw disponíveis no Patreon.

Sem intromissão da Zeiss, a FE 28mm f/2 tem uma performance muito mais orgânica e as fotos saem bem mais simpáticas que aquele olhar clínico da ZA 55. Os arquivos continuam escuros e com contraste alto direto da câmera, qualidade que estou atribuindo ao projeto mirrorless full frame como um todo. Mas as cores são vivas e a vinheta junto do bokeh esbanjam personalidade. Esta é daquelas objetivas curinga no lineup: o equipamento é descompromissado, mas os resultados impressionam pela clareza, cores saturadas e resolução alta.

“Naked Cowboy II” em f/8 1/320 ISO100.

“Naked Cowboy II” em f/8 1/320 ISO100.

Crop 100%, oh the sharpness…

Crop 100%, oh the sharpness…

De novo a característica mais marcante das fotos é o look “low key”. Com um quadro escuro independente da exposição, as fotos direto da câmera tem contraste altíssimo. Não sei se a Sony programa as A7 para preservar os highlights e escurecer a foto, mas os JPEG jogam fora qualquer informação nas sombras. É tudo preto e destaca demais contornos e sombras. Eu que fotografo em raw consigo “iluminar” a foto de volta no computador, mas direto da câmera os JPEG não tem salvação. É um look eletrônico, chapadão, que “vaza” tinta nas impressões sem correção.

A diferença dos arquivos raw processados e JPEG direto da câmera: pelo menos tem salvação!

A diferença dos arquivos raw processados e JPEG direto da câmera: pelo menos tem salvação!

Com um pós-processamento relativamente pesado, puxando sliders além de +50 no Adobe Camera Raw, o poder dos Exmor aparece nas cores e na aparência mais realista das fotos. Com ajuda do computador eu consegui fotos agradáveis, vibrantes, próximas do real, um mundo de diferença a FE 55 ZA porque tudo é mais saturado, vivo, com amarelos que lembram o dia ensolarado que eu fiz as fotos. Dá pra ver que a FE 28mm f/2 é “neutra” porque registra tons de amarelo que a Zeiss joga fora, e prefiro esta flexibilidade no “post” do que o look cinzento da ZA.

“Coney Island” em f/8 1/80 ISO100; cores, cores, cores… Aprende, Zeiss!

“Coney Island” em f/8 1/80 ISO100; cores, cores, cores… Aprende, Zeiss!

“Soarin’ Eagle” em f/8 1/500 ISO400; laranja com azul, o Exmor consegue!

“Soarin’ Eagle” em f/8 1/500 ISO400; laranja com azul, o Exmor consegue!

“GD” em f/13 1/60 ISO200; contraste alto que funciona com motivos gráficos.

“GD” em f/13 1/60 ISO200; contraste alto que funciona com motivos gráficos.

“ARCADE” em f/8 1/60 ISO400; tons de azul e amarelo também faz, finalmente!

“ARCADE” em f/8 1/60 ISO400; tons de azul e amarelo também faz, finalmente!

 “Polar Bear” em f/8 1/15 ISO50; já vimos essa foto com a Nikon D800E + AF-S 14-24mm f/2.8G.

“Polar Bear” em f/8 1/15 ISO50; já vimos essa foto com a Nikon D800E + AF-S 14-24mm f/2.8G.

E não falta resolução na FE 28mm f/2, apesar do preço baixo. Mesmo em f/2 o quadro inteiro tem detalhes de sobra para impressões gigantes e é uma tranquilidade na hora de usar. Com o entardecer eu não tive “medo” de fotografar na abertura máxima, já que não há sinal de blooming no centro e o astigmatismo é discreto nas bordas. Se houver algum ponto de luz brilhante em f/2, você verá o formato estranho ao redor do quadro. Mas é menor que qualquer grande angular f/1.4.



“Times Square” em f/8 1/250 ISO100.

“Times Square” em f/8 1/250 ISO100.

Crop 100%, nitidez esperada em f/8, resolução de sobra.

Crop 100%, nitidez esperada em f/8, resolução de sobra.

“Yogada” em f/8 1/250 ISO100.

“Yogada” em f/8 1/250 ISO100.

Crop 100%, detalhe no canto inferior direito.

Crop 100%, detalhe no canto inferior direito.

“Naked Cowboy III” em f/8 1/125 ISO100.

“Naked Cowboy III” em f/8 1/125 ISO100.

Crop 100%, também já dá pra perceber a ausência de aberrações, num quadro limpo.

Crop 100%, também já dá pra perceber a ausência de aberrações, num quadro limpo.

“up” em f/8 1/80 ISO100.

“up” em f/8 1/80 ISO100.

Crop 100%, nada de aberrações e resolução alta para prints.

Crop 100%, nada de aberrações e resolução alta para prints.

“Margarita” em f/8 1/80 ISO100.

“Margarita” em f/8 1/80 ISO100.

Crop 100%, boost de resolução para snapshots do dia a dia.

Crop 100%, boost de resolução para snapshots do dia a dia.

“Her” em f/2 1/400 ISO100.

“Her” em f/2 1/400 ISO100.

Crop 100%, resolução em f/2, excelente.

Crop 100%, resolução em f/2, excelente.

“Groove” em f/2 1/5000 ISO800.

“Groove” em f/2 1/5000 ISO800.

Crop 100%, paper thin DoF, resolução no que cair na curta profundidade de campo.

Crop 100%, paper thin DoF, resolução no que cair na curta profundidade de campo.

“Americana” em f/2 1/8000 ISO800.

“Americana” em f/2 1/8000 ISO800.

Crop 100%, centro na abertura máxima.

Crop 100%, centro na abertura máxima.

“Americana II” em f/2 1/8000 ISO800.

“Americana II” em f/2 1/8000 ISO800.

Crop 100%, nada de blooming.

Crop 100%, nada de blooming.

“Brisa” em f/8 1/80 ISO100.

“Brisa” em f/8 1/80 ISO100.

Crop 100%, performance na abertura otimizada.

Crop 100%, performance na abertura otimizada.

“Lifeguard” em f/8 1/60 ISO125.

“Lifeguard” em f/8 1/60 ISO125.

_DSC0755-Sony-A7II-FE-28mm-f_2-f_8-1_60-ISO125detail

Crop 100%, detalhes de sobra em 24MP, quem pensaria de um corpo tão pequeno?

“CI station” em f/8 1/60 ISO250.

“CI station” em f/8 1/60 ISO250.

Crop 100%, contraste alto, baixo vazamento de luz.

Crop 100%, contraste alto, baixo vazamento de luz.

A Sony não se preocupou com a distorção geométrica, que obviamente foi deixada na óptica a fim de ser corrigida pelo BIONZ X. Eu que não uso qualquer correção via processador na câmera recebi arquivos raw totalmente distorcidos com a FE 28mm f/2, prova que fazer o grande angular no mirrorless full frame, pelo menos nessa faixa de preço, será complicadíssimo. Talvez por isso anunciaram os adaptadores Wide e Fish, como alternativa a distância focal nativa.



“6Av” em f/8 1/200 ISO100; distorção foi obviamente deixada para o BIONZ X corrigir.

“6Av” em f/8 1/200 ISO100; distorção foi obviamente deixada para o BIONZ X corrigir.

“Dept” em f/8 1/200 ISO100; mas ela é discreta dependendo do enquadramento.

“Dept” em f/8 1/200 ISO100; mas ela é discreta dependendo do enquadramento.

Crop 100%, outro detalhe da resolução em f/8.

Crop 100%, outro detalhe da resolução em f/8.

“Girl on the wall” em f/8 1/60 ISO250; a parede vai explodir?

“Girl on the wall” em f/8 1/60 ISO250; a parede vai explodir?

“The Arts” em f/9 1/1000 ISO100; sem correção e mesmo assim não dá pra notar.

“The Arts” em f/9 1/1000 ISO100; sem correção e mesmo assim não dá pra notar.

“Freak Show” em f/8 1/60 ISO100; não coloque linhas retas ao redor do quadro, sem correção.

“Freak Show” em f/8 1/60 ISO100; não coloque linhas retas ao redor do quadro, sem correção.

“zack_the_giant” em f/8 1/80 ISO100; nem o horizonte. Fato, a distorção foi deixada para o BIONZ.

“zack_the_giant” em f/8 1/80 ISO100; nem o horizonte. Fato, a distorção foi deixada para o BIONZ.

Por outro lado as aberrações cromáticas laterais estão invisíveis, incomum para o projeto de alta resolução. Não vi qualquer linha colorida ao redor do quadro por mais que eu tenha fotografado linhas contra a luz. O mesmo para o CA axial no bokeh, que é suave e isola o sujeito no grande angular, look único do full frame que a A7 + FE 28 faz muito bem. Você não isola completamente o sujeito, mas cria um segundo plano colorido para destacá-lo na foto.

“42nd” em f/8 1/160 ISO100.

“42nd” em f/8 1/160 ISO100.

Crop 100%, nada de linhas coloridas ao redor do quadro.

Crop 100%, nada de linhas coloridas ao redor do quadro.

“10*St” em f/9 1/160 ISO100.

“10*St” em f/9 1/160 ISO100.

Crop 100%, nada de aberrações aqui também, muito bom.

Crop 100%, nada de aberrações aqui também, muito bom.

“Ferris” em f/8 1/80 ISO100.

“Ferris” em f/8 1/80 ISO100.

Crop 100%, o máximo de aberração cromática que encontrei nos meus arquivos.

Crop 100%, o máximo de aberração cromática que encontrei nos meus arquivos.

Enfim as cores que eu estava praticamente em depressão no review da 55 ZA voltaram com a 28 F2, e dá pra ter esperanças no formato FE e principalmente nos sensores Exmor. Realmente é um problema daquela objetiva da Zeiss: o look é chapadão e falta o “punch” que estou acostumado nas fotos “publicitárias” das Canon EOS. Mas a 28mm se saiu bem melhor com azuis no mesmo quadro que vermelhos, amarelos em dias ensolarados e tons de pele bem mais neutros. Não dá pra acreditar que os dois reviews foram com a mesma câmera, na mesma cidade, no mesmo dia.

“Graffiti” em f/8 1/320 ISO100; puxando para o neón, mas o motivo era complicado, compreendo.

“Graffiti” em f/8 1/320 ISO100; puxando para o neón, mas o motivo era complicado, compreendo.

“#quemnunca” em f/2 1/320 ISO100; cores mais quentes na A7II, viva!

“#quemnunca” em f/2 1/320 ISO100; cores mais quentes na A7II, viva!

“LGII” em f/8 1/125 ISO100; azuis neutros, tons de amarelo do sol intactos.

“LGII” em f/8 1/125 ISO100; azuis neutros, tons de amarelo do sol intactos.

“Wonder Wheel”, em f/2 1/160 ISO50, vinheta acentuada colabora com as cores quentes.

“Wonder Wheel”, em f/2 1/160 ISO50, vinheta acentuada colabora com as cores quentes.

“WWII” em f/2 1/160 ISO100; a exposição muda quando você muda a exposição! :-D

“WWII” em f/2 1/160 ISO100; a exposição muda quando você muda a exposição! :-D

“Polar Bear II” em f/2 1/25 ISO50; grading flexível já que as cores estão no arquivo.

“Polar Bear II” em f/2 1/25 ISO50; grading flexível já que as cores estão no arquivo.

“vinheta” em f/2 1/250 ISO100; fim do dia, cores vivas, abertura máxima.

“vinheta” em f/2 1/250 ISO100; fim do dia, cores vivas, abertura máxima.

“Whacamole” em f/2 1/100 ISO50; tom neón mas porque o motivo era neón. :-)

“Whacamole” em f/2 1/100 ISO50; tom neón mas porque o motivo era neón. :-)

“minargh” em f/2 1/250 ISO400; notem a qualidade do bokeh.

“minargh” em f/2 1/250 ISO400; notem a qualidade do bokeh.

Crop 100%, e a resolução em abertura máxima, pelo menos no centro.

Crop 100%, e a resolução em abertura máxima, pelo menos no centro.

“Cyclone” em f/2 1/100 ISO100; fim do dia…

“Cyclone” em f/2 1/100 ISO100; fim do dia…

“Nathan’s” em f/2 1/80 ISO100; puxando os limites do Exmor na A7II.

“Nathan’s” em f/2 1/80 ISO100; puxando os limites do Exmor no processamento raw.

VEREDICTO

A Sony FE 28mm f/2 sim, tem performance para ganhar o status de “clássica”. As fotos tem personalidade e dá para associar o look vibrante, com vinheta acentuada e cores bacanas (com pós-processamento) diretamente a objetiva. É engraçado como ela fez pela metade do preço as fotos que a ZA 55 não fez: boas para impressão, com destaque para o sujeito, coloridas sem muito esforço. É simples sem encher o saco, and it gets the job done. Boas fotos!