Canon EF 85mm f/1.8 USM

Prime telephoto curta da linha intermediária

Outubro/2014 – A EF 85mm f/1.8 USM é uma objetiva fixa do curto telephoto, própria para retratos. A dinâmica de trabalho muda com o espaçamento entre o fotógrafo e o sujeito, mantendo as facetas humanas agradáveis. Com a abertura máxima grande, o controle da profundidade de campo é excelente para desfocar o segundo plano e isolar o motivo da foto, dando aquele look característico das imagens. Não chega a ser uma abertura tão grande para torná-la uma especificação exótica, mas este é um ponto positivo: ela é compacta, o foco opera com facilidade, e o preço acompanha tudo isto. Será a 85mm ideal para o seu kit? Vamos descobrir! (english)



CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO

Canon EF 85mm f/1.8 USM

Em 425g a 85mm f/1.8 USM está entre as lentes EF mais bacanas de trabalhar. Sem puxar a câmera para frente (são só 7cm de comprimento), ela equilibra bem em qualquer DSLR full frame ou APS-C, e pode ficar na rua o dia inteiro nos ombros do fotógrafo. A escola de design é a mesma da EF 50mm f/1.4 USM, mas com uma diferença notável: a 85mm tem o foco interno e nada mexe do lado de fora, enquanto a 50mm move completamente o tubo para focar. Isto deixa a f/1.8 USM muito mais robusta, confiável e silenciosa, e me faz desejar que todas as lentes fossem assim.

Canon EF 85mm f/1.8 USM

A operação é simples como qualquer prime USM: só tem um anel MF com full time manual e a alavanca AF/MF. Basta deixar sempre em AF para a câmera controlar a distância de foco sozinha, e permitir compensações manuais a qualquer momento no anel. O mecanismo interno é muito preciso e não tem aquele “jogo” na mudança de direção do foco. É fácil fazer ajustes rápidos em distâncias curtas de foco e acertar em cheio o ponto certo, que é curtíssimo nesta especificação.

Canon EF 85mm f/1.8 USM EOS 60D

Uma grande diferença entre a top f/1.2L II USM e a intermediária f/1.8 USM também vive no foco. A f/1.2 depende de um sistema “fly by wire” no qual o anel MF simplesmente manda um comando eletrônico para o motor USM, que move o pesado conjunto óptico. Isto não acontece na f/1.8: tudo é mecanicamente conectado e mais tradicional. Por isso a velocidade é maior na irmã menor e permite acompanhar sujeitos em movimento, como fotos de esportes ou modelos andando. Nestas situações a chance de acertos da f/1.2 é quase nula e exige trabalhos mais calmos. Mas a 85mm f/1.8 USM não tem qualquer dificuldade independente do serviço, fotografia de rua e ação.

Canon EF 85mm f/1.8 USM f/1.2L

“Bananeira” com a EOS 5D Mark II em f/1.8 1/200 ISO1600; AF do modelo f/1.8 é rápido para fotos espontâneas como esta.

“Bananeira” com a EOS 5D Mark II em f/1.8 1/200 ISO1600; AF do modelo f/1.8 é rápido para fotos espontâneas como esta.

Atrás o mount de metal é um bonus para montar/desmontar da câmera com menos fricção. Na frente os filtros de ø58mm não são tão tradicionais mas nem tão caros quanto. É uma excelente opção de kit intermediário por causa da velocidade AF e operação simples; todo mundo pode usá-la sem problemas. E considerando o desempenho nas fotos, esta é uma das melhores lentes para se ter na linha EF. Um conjunto completo de operação e qualidade de imagem.



QUALIDADE DE IMAGEM

“Girl on bike” em f/1.8 1/250 ISO1600.

“Girl on bike” em f/1.8 1/250 ISO1600.

Com 9 elementos em 7 grupos, sem qualquer vidro especial, a EF 85mm f/1.8 USM é um projeto de 1992 feito antes da era digital. Era um tempo mais simples, sem grandes exigências de resolução e controle de aberrações, quando o mais importante era o look das imagens: profundidade de campo curta, contraste alto e cores bem equilibradas. E é isto que ela entrega em qualquer abertura, além de uma surpresa: a resolução vai de ótima a espetacular em qualquer sensor digital, própria para impressões gigantes seja de trabalhos profissionais ou de um final de semana com os amigos. Todas as fotos com a Canon EOS 5D Mark II.

“re_Portrait” em f/1.8 1/4000 ISO100.

“re_Portrait” em f/1.8 1/4000 ISO100.

Crop 100%, problemas com blooming em abertura máxima, mas resolução é impressionante.

Crop 100%, problemas com blooming em abertura máxima, mas resolução é impressionante.

Começando em f/1.8, a 85mm USM apresenta bastante vazamento de luz em áreas de contraste, com a aquelas bolhas roxas em contornos de prédios, objetos metálicos ou gráficos. Precisamos fechar até f/2.5 para eliminá-los e também é quando a resolução fica mais uniforme, do centro para as bordas. Ela é boa em abertura máxima, mas fica melhor ainda fechando um pouco. Não é uma objetiva para usar em qualquer stop: lembre de fechar para aumentar a resolução.

“Doll” em f/1.8 1/400 ISO400.

“Doll” em f/1.8 1/400 ISO400.

Crop 100%, bolhas de luz em pontos de highlight.

Crop 100%, bolhas de luz em pontos de highlight.

“Shot” em f/1.8 1/400 ISO100.

“Shot” em f/1.8 1/400 ISO100.

Crop 100%, sério, o CA é caótico em situações de muita luz! O_o

Crop 100%, sério, o CA é caótico em situações de muita luz! O_o

“Boy on bike” em f/1.8 1/160 ISO100.

“Boy on bike” em f/1.8 1/160 ISO100.

Crop 100%, bolhas rochas em qualquer zona de contraste.

Crop 100%, bolhas rochas em qualquer zona de contraste.

De f/2.8 para cima, temos na 85mm f/1.8 USM a mesma classe da série L, revelando quaisquer detalhes no plano focal em retratos, roupas, fotografia de rua; tudo o que estiver dentro da profundidade de campo que continua relativamente curta nesta especificação. Se desfocar o fundo for muito importante para você, se aproxime do sujeito para isolá-lo ainda mais. Os resultados sairão em fotos em que só um elemento chamará a atenção do quadro, bacana para detalhes, beleza e composições intimistas. Funciona bem inclusive no sistema APS-C. Aqui a distância será equivalente aos 136mm com apenas 18º de ângulo de visão na diagonal, mais apertada.



“Sartorialist” em f/2.8 1/200 ISO100.

“Sartorialist” em f/2.8 1/200 ISO100.

Crop 100%, nenhum sinal de CA.

Crop 100%, nenhum sinal de CA.

“Jóia” em f/2.8 1/125 ISO100.

“Jóia” em f/2.8 1/125 ISO100.

Crop 100%, completa ausência de problemas ópticos.

Crop 100%, completa ausência de problemas ópticos.

“230 Super” em f/2.8 1/320 ISO100.

“230 Super” em f/2.8 1/320 ISO100.

Crop 100%, problemas em cromados vão embora em f/2.8.

Crop 100%, problemas em cromados vão embora em f/2.8.

As cores são equilibradas com o restante da linha intermediária da Canon, lembrando que todas são virtualmente idênticas aquele projeto 50mm f/1.4 do tempo do FD. É um pouco mais quente que as concorrentes, o que não significa que as fotos saem “amareladas”, ok? Isto serve apenas para calibrar melhor com a ciência de cores da Canon que privilegia tons de pele asiáticos. O contraste é excelente também de f/2.5 em diante e menor em f/1.8, interessante para alguns efeitos de luz, se a fonte fizer parte da composição (como por exemplo contra a luz).

“Hunter” em f/1.8 1/100 ISO160.

“Hunter” em f/1.8 1/100 ISO160.

“w” em f/1.8 1/60 ISO1600.

“w” em f/1.8 1/60 ISO1600.

“re_Portrait” em f/1.8 1/500 ISO100.

“re_Portrait” em f/1.8 1/500 ISO100.

Crop 100%, leve flaring e DoF curtíssima.

Crop 100%, leve flaring e DoF curtíssima.

Já o bokeh, que é um termo japonês usado para palpitar na qualidade do desfoque de um conjunto óptico, é um pouco complicado em distâncias longas de foco. Ele aparece com linhas repetitivas, contornos duros em highlights e um pouco de CA axial no segundo plano. A aparência do desfoque fica muito melhor em impressões grandes, mas na tela do computador o ideal é fotografar elementos de perto, para o blur parecer mais suave. Só objetivas mais longas ou na série L tem elementos internos para compensar o bokeh em distâncias longas de foco.

“Fiat” em f/1.8 1/800 ISO100.

“Fiat” em f/1.8 1/800 ISO100.

Crop 100%, detalhes impressionam no f/1.8…

Crop 100%, detalhes impressionam no f/1.8…

Crop 100%, mas bokeh é complicado em distâncias longas de foco.

Crop 100%, mas bokeh é complicado em distâncias longas de foco.

“XING” em f/1.8 1/320 ISO100.

“XING” em f/1.8 1/320 ISO100.

Crop 100%, segundo plano complicado novamente.

Crop 100%, segundo plano complicado novamente.

“C2” em f/1.8 1/2000 ISO100.

“C2” em f/1.8 1/2000 ISO100.

VEREDICTO

Enfim uma prime interessante pela abertura máxima f/1.8, distância bacana para retratos, e desempenho óptico excelente em stops conservadores (f/2.5 pra cima). Considerando preço e idade, a EF 85mm f/1.8 USM vale até hoje com as câmeras digitais se a distância funciona para você, o que não é para qualquer um. A equivalência da 50mm f/1.8 II nas máquinas APS-C é semelhante aos 85mm; e uma 85mm fica apertada em 136mm. E ainda temos outras opções como a gêmea EF 100mm f/2 USM e no full frame a espetacular EF 135mm f/2L USM, pra quem quer distância MESMO. Enfim, decida antes com uma zoom qual a distância para você, e compre de acordo. Opticamente todas estas objetivas são boas, mas dependem do fotógrafo. Boas fotos!