Canon EF 15mm f/2.8 Fisheye

A vintage olho de peixe da Canon

Março/2015 – A EF 15mm f/2.8 Fisheye é uma das “objetivas modernas” mais antigas da Canon, lançada junto do sistema EF em 1987 e substituída em 2011 pela EF 8-15mm f/4L USM Fisheye. É uma prime com 180º de visão diagonal desenhada para as câmeras do formato 135, mostrando aquela distorção geométrica acentuada que transforma qualquer sujeito numa imagem interessante. Mas isto não quer dizer que ela seja fácil de usar: mostre fotos demais no portfolio e a única reação que você conseguirá será um “puxa, ele usou uma objetiva fisheye nesse click”. Os melhores resultados pedem criatividade compondo luz, motivo, cores e contraste num quadro super amplo. Isso tudo sem que os seus pés apareçam na foto! (english)

“Times Square” com a ELAN 7E + Kodak Portra 800 em f/11 1/500.

“Times Square” com a ELAN 7E + Kodak Portra 800 em f/11 1/500.

Por outro lado, com os softwares atuais você consegue um uso novo para o fisheye: a correção da projeção circular para retilínea efetivamente transforma esta objetiva numa ultra grande angular mais ampla até que as 14mm. Funciona tão bem que eu raramente recomendo uma specialty lens wide angle para quem quer um kit verdadeiramente low cost no full frame; comprem logo uma fish e usem a correção para dois resultados em um. Sim, as bordas sofrerão com a interpolação do computador e você não conseguirá fazer um preview exato de como sairá a foto direto da câmera, portanto não dá pra trabalhar de fato com arquitetura de interiores ou exterior.

“Rockefeller” com a ELAN 7E + Kodak Portra 800 em f/2.8 1/100; sem correção e com correção.

“Rockefeller” com a ELAN 7E + Kodak Portra 800 em f/2.8 1/100; sem correção e com correção.

Ela chegou no vlog do zack por acaso. Foi na mesma compra da EF 70-300mm f/4.5-5.6 IS DO USM, quando eu tinha de perguntar para a vendedora da loja “qual objetiva comprar”. Se na 70-300mm eu pedi uma lente “para chegar mais perto”, na 15mm fisheye eu pedi uma lente “para colocar mais coisas no mesmo quadro”. E esta EF fez o trabalho. Por US$699 ela ainda é uma das peças mais interessantes que tenho no kit porque a abertura f/2.8 permite o dobro de luz que os f/4 da EF 8-15mm L USM, apesar de eu flertar com este modelo novo há quatro anos. Se usasse mais a distorção, com certeza já teria mudado para a zoom USM. Mas por causa do look forçado, ela fica guardada só para situações especiais. Servirá para você? Vamos descobrir! Boa leitura.



CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO

A Canon EF 15mm f/2.8 Fisheye.

Em 330g de oito elementos em sete grupos, a EF 15mm f/2.8 Fisheye é construída em metal e mais especial do que parece. Ela não é L, portanto a precisão das peças passa uma boa impressão para a linha básica original, da mesma escola de design da 50mm f/1.8 e 35mm f/2. E a abertura f/2.8 permite o dobro de luz que a substituta EF 8-15mm f/4L Fisheye, garantindo uma vantagem para a clássica 15mm até hoje. Ou seja, a Canon não necessariamente apresentou um produto na mesma classe, e ficamos órfãos dos f/2.8 fish. Por isso ainda não vendi a minha cópia.

Construção de metal e design característico: a primeira fisheye da linha EF.

O conjunto é bem sólido e pesado na câmera, já que não há muito espaço entre o tubo externo e as peças de vidro. Na frente a tampa de metal fica presa por uma leve fricção, então cuide para não deixá-la cair no chão porque amassará e não prenderá mais. Mas nada de chamar muita atenção por aí. O elemento da frente era um dos maiores já usados numa fisheye quando ela foi apresentada, e o design com hood embutido é classicão para o super grande angular. Porém os 6.1cm de comprimento por 7.3cm de largura não são muito diferentes de uma 50mm f/1.4. A EF 15mm f/2.8 poderia ficar o tempo todo na câmera sem atrapalhar o fotógrafo, se não fosse o look.

Detalhe do elemento da frente: a EF 15mm é pequena mas cheia de vidro.

A operação é simples com um anel MF “das antigas” (leia-se curto e raso) e o micro motor AF que faz aquele barulho característico, lembrando uma mosca. Ele exige a posição certa na chave de seleção que desengata as engrenagens do anel para girar livremente. Da distância mínima de foco 0.2m até o infinito são pouco mais de 50º, e o movimento é péssimo. O atrito parece que você está esfregando “areia com areia” quando gira. Até dá para fazer ajustes precisos mas passa longe do “prazer de usar” de outras lentes mais novas. E pra ajudar, o meu motor AF quebrou. Deixei a caixa cair no chão com a objetiva dentro, e agora faz um click quando eu mando o sinal elétrico para a lente, sem focar. Eu tentei consertar na Namba em São Paulo mas pediram 60 dias + R$600.

Canon EF 15mm f/2.8 Fisheye

O conjunto inteiro se movimenta no tubo interno e você consegue ver o elemento da frente saindo do lugar para frente e para trás. Por causa do ângulo de visão e do elemento convexo, ela não aceita filtros na frente mas tem um espaço atrás para colocar até três géis recortados, no meio do mount de metal. Há ainda uma janela de distância em cima com marcações de profundidade de campo em f/8 e f/16, o que ajuda quem trabalha com a gravação de vídeos.

Canon EF 15mm f/2.8 Fisheye

Enfim é um projeto bem “cru” mas faz o que promete. Talvez eu ainda amaria a minha cópia se o AF funcionasse. Do jeito que está, eu ando na verdade é namorando a EF 8-15mm f/4L Fisheye, que já usei algumas vezes mas não tenho no kit. O problema é justificar o look “GoPro” das fotos com 180º de visão e a distorção “olho de peixe”, que infelizmente não é para todos os dias. Mas se você precisa da performance do full frame com a distorção fisheye, estas objetivas são as poucas que farão isso com foco e abertura automatizados, as únicas no lineup da Canon.



QUALIDADE DE IMAGEM

“Swirl Times” com a ELAN 7E + Kodak Portra 800 em f/22 1”.

“Swirl Times” com a ELAN 7E + Kodak Portra 800 em f/22 1”.

O fisheye “não é para todos os dias” mas também não pode faltar no kit dos fotógrafos que se prezem. A qualidade de imagem através destas objetivas especiais é bem superior aos filtros digitais ou mesmo “screw in” (aqueles na frente de qualquer lente), e dependendo da sua área de trabalho (como esportes radicais), ele é quase obrigatório. É bacana para incluir muito além do cenário com o sujeito, como no grande angular padrão. Em 180º de visão diagonal você inclui “o mundo todo” e fica difícil não se apaixonar se o ambiente for interessante. Você não mostrará só um prédio, mostrará o quarteirão todo. Não mostrará só o palco do show, mostrará a platéia toda!

“Patinação no gelo” com a ELAN 7E + Kodak Portra 800 em f/71. 1/15.

“Patinação no gelo” com a ELAN 7E + Kodak Portra 800 em f/71. 1/15.

E o look Canon não ficou de fora. De novo temos um show de cores, contraste e resolução de ponta a ponta independente da abertura e posição de foco. Alias alguns fotógrafos consideram esta como a grande angular de maior performance da linha EF, e eu tenho de concordar. Nem as novas EF 16-35mm f/4L IS USM e EF 11-24mm f/4L USM mostram os mesmos detalhes nas bordas desta objetiva de 1987, mas a comparação não é justa afinal os dois modelos corrigem a distorção geométrica; a fisheye não. E por outro lado a EF 15mm f/2.8 é rainha das aberrações cromáticas laterais. Os contornos roxos e verdes aparecem até na saída para web, e a correção via software é obrigatória. Em película ficava menos acentuado, por isso ela durou tanto na linha.

“Bandeira” com a ELAN 7E + Kodak Portra 800 em f/8 1/60.

“Bandeira” com a ELAN 7E + Kodak Portra 800 em f/8 1/60.

Os f/2.8 na verdade são curiosos porque a profundidade de campo é curta mesmo no ultra grande angular. Com o foco mínimo de 20cm não fica difícil isolar o sujeito no centro do quadro com o restante fora de foco, que por sinal tem uma aparência suave quando acontece. E em cenas distantes com foco no infinito, como paisagens, as bordas não sofrem com perda de resolução. Funciona para fotos amplas da natureza com pouca luz sem subir o ISO nem depender do tripé. O astigmatismo que nasce quando tentamos distorcer as linhas de volta para a projeção retilínea não acontece no fish, então pontos de luz nas bordas continuarão pontos, bacana para estrelas no céu.

“Arbusto” com a 5D Mark II em f/2.8 1/800 ISO100.

“Arbusto” com a 5D Mark II em f/2.8 1/800 ISO100. Arquivo raw disponível no Patreon.

Crop 100%, resolução impecável no plano focal curto…

Crop 100%, resolução impecável no plano focal curto…

Crop 100%, e desfoque suave no segundo plano.

Crop 100%, e desfoque suave no segundo plano.

“Show” com a 5D Mark II em f/2.8 1/30 ISO200.

“Show” com a 5D Mark II em f/2.8 1/30 ISO200.

Crop 100%, sim, essa é a performance totalmente aberta.

Crop 100%, sim, essa é a performance totalmente aberta.

“Sequoia” com a 60D em f/2.8 10” ISO800.

“Sequoia” com a 60D em f/2.8 10” ISO800.

Crop 100%, zero astigmatismo nas bordas, fenomenal!

Crop 100%, zero astigmatismo nas bordas, fenomenal!

“Relâmpago” com a 5D Mark II em f/3.2 4” ISO100.

“Relâmpago” com a 5D Mark II em f/3.2 4” ISO100.

Crop 100%, os pontos de luz não ficam com formas estranhas nas bordas.

Crop 100%, os pontos de luz não ficam com formas estranhas nas bordas.

“MoMA” com a ELAN 7E + Kodak Portra 800 em f/2.8 1/80, plano focal pode ser longo mesmo em f/2.8…

“MoMA” com a ELAN 7E + Kodak Portra 800 em f/2.8 1/80, plano focal pode ser longo mesmo em f/2.8…

“Estrada” com a 5D Mark II em f/2.8 1/25 ISO400, bacana para fotos fáceis com tudo em foco.

“Estrada” com a 5D Mark II em f/2.8 1/25 ISO400, bacana para fotos fáceis com tudo em foco.

“Fogo” com a 5D Mark II em f/2.8 1/320 ISO3200, abertura f/2.8 permite bastante luz para fotos inusitadas.

“Fogo” com a 5D Mark II em f/2.8 1/320 ISO3200, abertura f/2.8 permite bastante luz para fotos inusitadas. Arquivo raw disponível no Patreon.

Crop 100%, resolução totalmente aberta é muito boa.

Crop 100%, resolução totalmente aberta é muito boa.

“Minka” com a 5D Mark II em f/2.8 1/90 ISO6400.

“Minka” com a 5D Mark II em f/2.8 1/90 ISO6400. Arquivo raw disponível no Patreon.

Crop 100%, contraste e nitidez muito bons para o f/2.8.

Crop 100%, contraste e nitidez muito bons para o f/2.8.

“Vending Machine” com a 5D Mark II em f/2.8 1/250 ISO100.

“Vending Machine” com a 5D Mark II em f/2.8 1/250 ISO100. Arquivo raw disponível no Patreon.

Crop 100%, precisão no centro do quadro.

Crop 100%, precisão no centro do quadro.

“S” com a 5D Mark II em f/3.5 1/50 ISO100.

“S” com a 5D Mark II em f/3.5 1/50 ISO100.

Crop 100%, de novo, profundidade de campo curta no grande angular…

Crop 100%, de novo, profundidade de campo curta no grande angular…

Crop 100%, e desfoque suave, incomum nesta distância.

Crop 100%, e desfoque suave, incomum nesta distância.

Fechando a diferença fica para o controle da exposição, a aparência dos pontos de desfoque por causa da abertura pentagonal, e das consequentes estrelas com dez pontas nos highlights. Estes aspectos são interessantes porque raramente a fonte de luz ficará fora do seu quadro. Você realmente tem de “dar as costas” para o sol se não o quiser na sua foto, coisa que eu deliberadamente não fiz. O contraste continua perfeito e o flaring não detona o quadro como na EF 16-35mm f/2.8L II USM. Então os resultados são tão únicos quanto a distorção. Não é qualquer equipamento que “segura” um sol contra o sujeito tão bem quanto esta fisheye.



“Pedidos” com a 5D Mark II em f/4 1/60 ISO100.

“Pedidos” com a 5D Mark II em f/4 1/60 ISO100. Arquivo raw disponível no Patreon.

Crop 100%, contraste perfeito nas cores primárias.

Crop 100%, contraste perfeito nas cores primárias.

“Retrato” com a 5D Mark II em f/8 1/320 ISO100.

“Retrato” com a 5D Mark II em f/8 1/320 ISO100.

Crop 100%, texturas nítidas em distâncias próximas de foco.

Crop 100%, texturas nítidas em distâncias próximas de foco.

“SF” com a 5D Mark II em f/13 1/250 ISO100.

“SF” com a 5D Mark II em f/13 1/250 ISO100. Arquivo raw disponível no Patreon.

Crop 100%, cores excelentes, tipicamente Canon.

Crop 100%, cores excelentes, tipicamente Canon.

“Grafite” com a 5D Mark II em f/8 1/30 ISO250.

“Grafite” com a 5D Mark II em f/8 1/30 ISO250.

“Aparecida” com a 5D Mark II em f/4.5 1/40 ISO500.

“Aparecida” com a 5D Mark II em f/4.5 1/40 ISO500. Arquivo raw disponível no Patreon.

Crop 100%, a luz não vaza em pontos de contraste.

Crop 100%, a luz não vaza em pontos de contraste.

“Sequoia 2” com a 5D Mark II em f/14 1/30 ISO250.

“Sequoia 2” com a 5D Mark II em f/14 1/30 ISO250.

Crop 100%, estrela de dez pontas e CA lateral.

Crop 100%, estrela de dez pontas e CA lateral.

“Sequoia 3” com a 5D Mark II em f/13 1/30 ISO160.

“Sequoia 3” com a 5D Mark II em f/13 1/30 ISO160.

Crop 100%, contraste segura bem mesmo com o sol no quadro.

Crop 100%, contraste segura bem mesmo com o sol no quadro.

“Minka 2” com a 5D Mark II em f/10 1/3 ISO3200.

“Minka 2” com a 5D Mark II em f/10 1/3 ISO3200.

Crop 100%, projeção da luz é natural a partir da fonte.

Crop 100%, projeção da luz é natural a partir da fonte.

“Minka 3” com a 5D Mark II em f/2.8 1/90 ISO6400, exposição complicadíssima…

“Minka 3” com a 5D Mark II em f/2.8 1/90 ISO6400, exposição complicadíssima…

Crop 100%, mas todos os detalhes estão lá!

Crop 100%, mas todos os detalhes estão lá!

O problema está mesmo na aberração cromática lateral fortíssima em gráficos, linhas de contraste como janelas, galhos contra o céu, e objetos cromados. Como o meu background é na fotografia publicitária, exagerar um pouco as cores no pós-processamento é normal para vender uma imagem melhor do que ela é na realidade. E estes contornos coloridos ficam caóticos com qualquer movimento do slider “vibrance” no Adobe Camera Raw ou Lightroom. Pelo menos a correção é perfeita a partir de um click no “remove CA” e +4 no defringe roxo. Deus abençoe o pós-processamento e francamente o “problema” só acontece porque a resolução é alta nas bordas.

“Tori” com a 5D Mark II em f/18 1/250 ISO100.

“Tori” com a 5D Mark II em f/18 1/250 ISO100. Arquivo raw disponível no Patreon.

Crop 100%, aberração cromática lateral fortíssima.

Crop 100%, aberração cromática lateral fortíssima.

Crop 100%, mesmo corte com correção via software.

Crop 100%, mesmo corte com correção via software.

“Manhattan” com a ELAN 7E + Kodak Portra 800 em f/16 1/500.

“Manhattan” com a ELAN 7E + Kodak Portra 800 em f/16 1/500.

Crop 100%, captura em película fica mais difícil de ver a aberração cromática.

Crop 100%, captura em película fica mais difícil de ver a aberração cromática.

“Cerejeira” com a 5D Mark II em f/7.1 1/250 ISO100.

“Cerejeira” com a 5D Mark II em f/7.1 1/250 ISO100.

Crop 100%, e o problema só acontece porque a resolução é perfeita nas bordas.

Crop 100%, e o problema só acontece porque a resolução é perfeita nas bordas.

“Árvore” com a 5D Mark II em f/16 1/125 ISO100.

“Árvore” com a 5D Mark II em f/16 1/125 ISO100.

Crop 100%, a solução tradicional? Conversão preto e branco! :-D

Crop 100%, a solução tradicional? Conversão preto e branco! :-D

“Antena” com a 5D Mark II em f/11 1/125 ISO100.

“Antena” com a 5D Mark II em f/11 1/125 ISO100.

Crop 100%, sério, a resolução é fenomenal nas bordas. O_o

Crop 100%, sério, a resolução é fenomenal nas bordas. O_o

“Vertigo” com a 5D Mark II em f/11 1/200 ISO400.

“Vertigo” com a 5D Mark II em f/11 1/200 ISO400.

Crop 100%, perfeição nas bordas para impressões gigantes.

Crop 100%, perfeição nas bordas para impressões gigantes.

“SF” com a 5D Mark II em f/13 1/100 ISO100.

“SF” com a 5D Mark II em f/13 1/100 ISO100. Arquivo raw disponível no Patreon.

Crop 100%, CA aparece nas laterais.

Crop 100%, CA aparece nas laterais.

“Chinatown” com a 5D Mark II em f/13 1/125 ISO100, flare bem controlado contra luz.

“Chinatown” com a 5D Mark II em f/13 1/125 ISO100, flare bem controlado contra luz.

Crop 100%, linhas coloridas em gráficos nas bordas.

Crop 100%, linhas coloridas em gráficos nas bordas.

“JR” com a 5D Mark II em f/16 1/25 ISO100.

“JR” com a 5D Mark II em f/16 1/25 ISO100. Arquivo raw disponível no Patreon.

Crop 100%, yikes!

Crop 100%, yikes!

“Trem” com a 5D Mark II em f/5.6 1/13 ISO100.

“Trem” com a 5D Mark II em f/5.6 1/13 ISO100.

Crop 100%, contornos de janelas sempre ficam caóticos.

Crop 100%, contornos de janelas sempre ficam caóticos.

“Candyland” com a 5D Mark II em f/6.3 1/30 ISO160.

“Candyland” com a 5D Mark II em f/6.3 1/30 ISO160.

Crop 100%, problema é menos intenso fora das bordas.

Crop 100%, problema é menos intenso fora das bordas.

“Candyland 2” com a 5D Mark II em f/6.3 1/30 ISO160.

“Candyland 2” com a 5D Mark II em f/6.3 1/30 ISO160.

Crop 100%, ah, a resolução fantástica.

Crop 100%, ah, a resolução fantástica.

“Mezzanine” com a ELAN 7E + Kodak Portra 800 em f/4 1/100.

“Mezzanine” com a ELAN 7E + Kodak Portra 800 em f/4 1/100.

VEREDICTO

A última vez que eu usei a EF 15mm f/2.8 Fisheye foi na gravação de um video para uma galeria de arte que especificamente pediu pelo “look GoPro”; maquininha que eu não tenho mas entendi o que eles queriam; isso há dois anos atrás! Ou seja, eu não tenho uso mas também não me arrependo de tê-la no kit. Quem tem ou quem encontrar a 15mm no mercado de usadas pode considerar este modelo tranquilamente no full frame. No APS-C, só as 8mm farão a mesma coisa e diversas fabricantes oferecem resultados semelhantes. Ou pague pelos US$1349 da top Canon EF 8-15mm f/4L USM para matar dois pássaros (crop e full frame), quatro (fisheye nativos ou retilíneos via software em ambos) ou cinco (foto circular em 8mm no full frame) com uma pedra só.