Canon EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM

Telephoto para o crop de todos os dias

Março/2014 – A linha EF-S da Canon (“s” de “small”) nasceu em 2003 para atender exclusivamente as câmeras digitais com sensores APS-C. Menores que o antigo sistema 135 de filme (35mm “full frame”), as máquinas “crop” não precisam do mesmo círculo de projeção e podem ter objetivas menores. Embora alguns fotógrafos questionem a qualidade de imagem destes modelos, coisa que mais tem a ver com a tecnologia do sensor do que o tamanho dele, o crop na minha opinião só tem vantagens: câmeras menores, mais leves e fáceis de usar. (english)

Canon EF 100-400mm f/4.5-5.6L IS USM EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM

A EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM é a mais recente geração (setembro de 2013) destas distâncias e foi totalmente atualizada para receber novas tecnologias da Canon: motor STM para foco continuo silencioso em vídeo; sistema de foco interno e traseiro, que não gira o elemento frontal durante a operação; estabilizador de 3.5 stops, fundamental para o telephoto; e novo projeto óptico com maior qualidade de imagem. Tudo num pacote fácil de usar por apenas US$349, uma barganha pelos resultados que entrega. Vamos avaliar o desempenho desta lente? Boa leitura, amiguinhos!



CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO

Canon EF-S 55-250mm IS STM

Em 375g de 7 x 11cm a EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM é a mais leve das EF-S 55-250mm e certamente a melhor construída. São dois tubos de plástico que se movimentam através de um anel gigante para operar o zoom. Praticamente todo o corpo da lente é um anel e pode ser difícil montá-la na câmera uma vez que mexe na hora de engatar no mount; cuidado. Mas o movimento é preciso e gostoso de operar, sem balanço quando a lente está aberta (250mm). As marcações de distâncias ficam perto do mount e não há janela para o foco manual; o mínimo é de 85cm, bacana para profundidade de campo curta em 250mm mesmo com abertura máxima f/5.6.

Canon EF-S 55-250mm IS STM

Na frente o anel de foco manual é do tipo fly-by-wire e opera eletronicamente o motor STM interno, traseiro. A resposta tátil é “mole”/solta como nas outras lentes deste tipo (ex. EF 40mm f/2.8 pancake STM), e depende de energia elétrica para funcionar. Um detalhe estranho é que ele não fica ligado o tempo todo e exige que o sistema AE seja acionado (botão do obturador até a metade) antes de começar a funcionar. Às vezes isto enche o saco porque adiciona um passo desnecessário no processo de focagem manual, tirando a vantagem de um sistema considerado pela Canon como “full time manual”. Pelo menos o elemento frontal não gira como nos outros modelos de 55-250mm e aceita filtros de 58mm, tipo polarizadores que podem ficar na máquina o tempo todo. Atrás os teleconversores EF 1.4X e EF 2X não são compatíveis, com nenhuma EF-S.

Canon EF-S 55-250mm IS STM

A operação dos botões é simples com apenas um AF/MF e outro IS. O AF/MF pode ficar no modo AF e mesmo assim operar o foco manual caso o fotógrafo queira compensar algum erro da câmera, o que não aconteceu nos meus testes. Alias o sistema STM foi extremamente preciso e instantâneo durante todo teste, e não tenho qualquer foto fora de foco por erro da 60D. O mesmo pode ser dito de fotos borradas com obturadores pelo menos três vezes mais lentos que o recomendado; o sistema IS da Canon é muito eficaz e discreto, útil também para vídeos.

Canon EF-S 55-250mm IS STM

Enfim a EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM demonstra o comprometimento da Canon com os fotógrafos de DSLR APS-C. O equipamento como um todo é muito simpático e oferece o mesmo alcance de tele-objetivas de nível profissional, mas por uma fração do preço (e peso). Evidente que não é a mesma coisa que uma série L EF 100-400mm f/4.5-5.6L IS USM porque não cobre o círculo do full frame, nem tem o corpo de metal; mas ganhamos em tecnologia (IS recente), tamanho, e usabilidade; e qualidade de imagem que levanta dúvidas quanto ao desempenho da lente maior. Vamos ver como o projeto óptico renovado se comporta com uma variedade de fotografias e se é possível colocá-la lado a lado com os resultados das câmeras (e lentes) “full frame”.

QUALIDADE DE IMAGEM

“Broadway” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/6.7 1/250 ISO100 @ 55mm.

“Broadway” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/6.7 1/250 ISO100 @ 55mm.

A Canon é conhecida por fabricar as melhores lentes telephoto para câmeras SLR. Desde a década de 80 com a introdução do sistema EF e lentes zoom de alto desempenho, a fabricante ganhou fama pelo desempenho óptico das objetivas de grande alcance, estabilizador e foco automático de ponta. E a EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM continua a tradição reunindo todas estas qualidades por uma fração do preço, peso, e tamanho das antigas lentes EF “full frame”.

“Mosaic” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/8 20 ISO100 @ 250mm.

“Mosaic” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/8 20 ISO100 @ 250mm.

A melhor parte dos testes do zack é ver o desempenho das objetivas em fotos reais. Assim coloco a prova os resultados de cada lente e só os defeitos mais severos ficam em destaque. Pensando desta forma a EF-S 55-250mm pode ser considerada uma das melhores opções para quem trabalha com sensor APS-C. É virtualmente imperceptível qualquer diferença na resolução de 55mm até 250mm, ou mesmo de f/4 até f/5.6; ou então até f/8 dependendo do caso. Todas as fotos são cheias de detalhes, livres de problemas com resolução; cores no mesmo nível das objetivas “L” (novidade nas lentes acessíveis recentes); contraste impecável e baixo CA lateral/longitudinal. Afinal estamos falando de uma f/4-5.6, que não é tão difícil produzir com alta qualidade.

“Tijolos” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/4 1/8 ISO800 @ 70mm.

“Tijolos” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/4 1/8 ISO800 @ 70mm.

“Tijolos” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/4 1/8 ISO800 @ 70mm.

Crop 100%, detalhes no centro do quadro.

“Semáforo” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/4.5 1/90 ISO800 @ 79mm.

“Semáforo” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/4.5 1/90 ISO800 @ 79mm.

“Semáforo” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/4.5 1/90 ISO800 @ 79mm.

Crop 100%, contraste entre luzes, sombras e segundo plano.

“Times Square” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/4 1/1250 ISO800 @ 55mm; cores e contraste bacana para uma lente de baixo custo.

“Times Square” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/4 1/1250 ISO800 @ 55mm; cores e contraste bacana para uma lente de baixo custo.

“Times Square” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/4 1/1250 ISO800 @ 55mm; cores e contraste bacana para uma lente de baixo custo.

Crop 100%.

“TOUR” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/6.7 1/180 ISO100 @ 70mm.

“TOUR” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/6.7 1/180 ISO100 @ 70mm.

Crop 100%, resolução impecável no canto do quadro.

Crop 100%, resolução impecável no canto do quadro.

“Grid” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/6.7 1/90 ISO100 @ 55mm.

“Grid” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/6.7 1/90 ISO100 @ 55mm.

Crop 100%, altíssima resolução no centro da imagem.

Crop 100%, altíssima resolução no centro da imagem.

Crop 100%, sinais de CA lateral nas bordas.

Crop 100%, sinais de CA lateral nas bordas.

“Organico” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/4.5 1/125 ISO100 @ 135mm; bokeh em abertura máxima.

“Organico” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/4.5 1/125 ISO100 @ 135mm; bokeh em abertura máxima.

Crop 100%, reprodução de detalhes intocada pela abertura máxima.

Crop 100%, reprodução de detalhes intocada pela abertura máxima.

Destaque negativo fica para o CA lateral que, apesar de bem controlado, deve ser corrigido antes de impressões grandes. Qualquer software como Adobe Photoshop ou Canon Digital Photo Professional (incluído com as câmeras) pode eliminá-lo sem perda de qualidade; ou diretamente nas câmeras dotadas de processador DIGIC5 (em modo JPEG ou na conversão raw > JPEG na câmera). CA longitudinal não é um problema no bokeh nem outras variações de cores, que são neutras com o restante da linha EF-S. Vignetting pode ser acentuado no final do telephoto e a imagem parece vista por um buraco, com escurecimento nas bordas; e só é percebido em fotos noturnas além dos 150mm na abertura máxima. Feche até f/8 para resolver o problema.



“Cidade” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/8 1/250 ISO100 @ 55mm.

“Cidade” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/8 1/250 ISO100 @ 55mm.

Crop 100%, CA lateral severo nas bordas, mas resolução está lá.

Crop 100%, CA lateral severo nas bordas, mas resolução está lá.

Crop 100%, CA em qualquer área de muito contraste.

Crop 100%, CA em qualquer área de muito contraste.

“LEFT TURN LANE” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/8 1/350 ISO100 @ 55mm. CA lateral não aparece na maior parte do quadro, mas… Download raw.

“LEFT TURN LANE” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/8 1/350 ISO100 @ 55mm. CA lateral não aparece na maior parte do quadro, mas…

Crop 100%, investigando o arquivo de perto encontramos fora do plano focal (aparece nas faixas do chão, não aparece nas placas de trânsito).

Crop 100%, investigando o arquivo de perto encontramos fora do plano focal (aparece nas faixas do chão, não aparece nas placas de trânsito).

“Laical” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/6.7 1/90 ISO100 @ 55mm.

“Laical” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/6.7 1/90 ISO100 @ 55mm.

Crop 100%, CA bizarro nas colunas. :-D

Crop 100%, CA bizarro nas colunas. :-D

Outro problema inerente a fotografia telephoto não deve a qualidade da lente, mas sim aos desafios de fotografar nestas distâncias: é a distorção atmosférica. Especialmente em dias quentes, o ar entre o fotógrafo e o sujeito pode ficar agitado e ondas de calor distorcem os detalhes mais finos. Resultado: pixels parecem embaralhados e linhas retas ficam cheias de curvas. Não é um problema da lente nem da câmera, mas pode acontecer no calor.

“WTC” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/8 1/500 ISO100 @ 55mm.

“WTC” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/8 1/500 ISO100 @ 55mm.

Crop 100%, detalhes distantes sofrem com a distorção do calor.

Crop 100%, detalhes distantes sofrem com a distorção do calor.

“Italy” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/8 1/500 ISO100 @ 100mm.

“Italy” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/8 1/500 ISO100 @ 100mm.

Crop 100%, prédios que estão longe parecem pintados em aquarela.

Crop 100%, prédios que estão longe parecem pintados em aquarela.

“RUSH/NO-RUSH” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/8 1/180 ISO100 @ 175mm.

“RUSH/NO-RUSH” com a EOS 60D + EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM em f/8 1/180 ISO100 @ 175mm.

Crop 100%, detalhes desaparecem na distância.

Crop 100%, detalhes desaparecem na distância.

VEREDICTO

Enfim uma lente fora da série L, acessível e fácil de usar; ou seja, as melhores características da linha EF-S e dos sistemas crop. Muitos fotógrafos ainda custam em acreditar nestes benefícios e justificar com o “maior é melhor” os equipamentos full frame. De fato, dependendo da tecnologia do sensor e preço, sim, as câmeras e lentes maiores podem entregar arquivos marginalmente superiores. Mas para 99% dos trabalhos onde o que importa são as fotos, o sujeito ou o cenário, a EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM é o melhor que a Canon tem a oferecer pela barganha de US$349.