Nikon AF-S Nikkor 58mm f/1.4G

A única standard Nikkor moderna que corrige sagittal comma flare

Outubro/2015 – A AF-S 58mm f/1.4G é uma curiosa objetiva da Nikon anunciada em 2014 para o formato FX. “Curiosa objetiva” que deve ser a quarta, quinta vez que eu abro um texto assim, mas é natural: tudo é curioso pra mim e uma peça de US$1700, o mesmo que uma DSLR full frame de entrada, é um prato cheio de perguntas. O que ela faz de diferente? Por que custa tão caro? Vale a pena no kit? É o que move o vlog do zack e vocês virem até aqui ler e assistir aos vídeos. Comprei no Mercado Livre e fui testá-la em NY. Vamos ver o que eu descobri? Boa leitura! (english)



CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO

NIKON_AFS_NIKKOR_58MM_F14G_04

Em 385 gramas de 85x70mm, a AF-S 58mm f/1.4G não é “show stopper” mecânico mas isso é uma coisa boa. Feita inteirinha de plástico, exceto o acabamento de metal no mount, os US$1700 estão na verdade comprando tecnologia para ser leve e o projeto é moderno, em policarbonato, no lugar da fragilidade “all metal” vintage que vimos por exemplo na Ai-S 50mm f/1.2 Nikkor. A experiência é a mesma de qualquer outra AF-S G de uma fração do preço e se acostumem: os plásticos vieram pra ficar e o metal que amassa e risca está fora de moda.

Nikon AF-S Nikkor 58mm f/1.4G

A 58mm f/1.4G também é grande para o standard da Nikon, com o dobro de volume das AF-S 50mm f/1.8G e f/1.4G, apesar de continuar na filosofia Nikkor na contramão do mercado: simples e fácil de usar no lugar de um produto “ostentação”, pesado e cheio de firúlas. Ela não tem “a pompa” da Canon EF 50mm f/1.2L USM (590g), o peso da Sigma 50mm f/1.4 DG “Art” HSM (815g), nem a encheção da Zeiss 55mm f/1.4 Otus (970g) toda manual. Por isso a 58mm G funciona melhor nas mãos e ergonomia falou mais alto quando montada nas full frame digitais.

Nikon AF-S Nikkor 58mm f/1.4G

A operação é simples com anel de foco manual na frente e um botão AF/MF ao alcance do dedão. É montar na câmera e sair para fotografar com a discrição que poucos equipamentos high end tem. Comparada as concorrentes do mesmo segmento, a 58mm também é a que mais tem “cara” de standard: o design com o “hood” embutido e o grupo óptico profundo dispensa o lens hood, apesar dele vir incluído na caixa. A diferença é que a 58mm é oversized e as outras são portáteis.

Nikon AF-S Nikkor 58mm f/1.4G

Do lado de dentro o sistema de foco automático é o mesmo de todas outras AF-S com motor SWM silencioso e AF relativamente rápido. É suficiente pra trabalhar com pressa na rua, mas não tem o “imediatismo” da Canon. Não está errado: é rápido, preciso, e só tive problemas quando errei o modo de foco na D750 (usei o 3D tracking para fotografar ação). Tudo é silencioso e o suporte ao full time manual é perfeito: o anel manual é o melhor que já usei numa Nikkor e não tem qualquer jogo. Custou US$1700, mas finalmente a Nikon entregou um anel de foco perfeito. Aleluia!

Nikon AF-S Nikkor 58mm f/1.4G

O foco mínimo de 0.58cm é longo para o standard mas funciona para fotografar detalhes. Nada expande do lado de fora e o projeto duplo Gauss move o conjunto inteirinho do lado de dentro. Os filtros na frente são enormes em 72mm, típicos das topo de linha, compatíveis do grande angular ao telephoto. E vão numa rosca de plástico que fica coberta pelo parasol, além de não girarem durante a focagem. Recomendo um filtro de altíssima qualidade já que ele ficará bem longe do elemento frontal. Se o vidro não for tratado, a chance de reflexos é enorme e perderá contraste.

Nikon AF-S Nikkor 58mm f/1.4G

No geral a AF-S 58mm f/1.4G se comporta como a AF-S 85mm f/1.4G, outra topo de linha Nikkor. É bem mais leve do que esperamos no high end mas é um prazer de usar. Se tivesse de argumentar entre Canon e Nikon, que vários de vocês insistem em saber a minha opinião, sem dúvidas o papo do peso puxaria a balança pra Nikon (sem trocadilhos). A gente acaba não dando valor a peças leves, mas é exatamente o “feedback” que um equipamento premium deveria dar: ele não fica entre o fotógrafo e o clique, e a operação é perfeita. É pegar nas mãos para se apaixonar.



QUALIDADE DE IMAGEM

“S Manhattan” em f/5 1/80 ISO12800.

“S Manhattan” em f/5 1/80 ISO12800.

* Todas as fotos com a Nikon D750. Arquivos raw disponíveis no Patreon.

Com um projeto óptico de 9 elementos em 6 grupos, num design Duplo Gauss, com duas peças asféricas e tratamento Nano Crystal, a AF-S 58mm f/1.4G mostra a disposição da Nikon em tentar algo novo no saturadíssimo mercado standard high end. A ideia é homenagear a objetiva Noct Nikkor 58mm f/1.2 de 1977, que foi uma prova de conceito Nikon em minimizar aberrações cromáticas de plano sagital, que objetivas de grande abertura mostram em pontos de luz.

“N Manhattan” em f/1.4 1/200 ISO5600.

“N Manhattan” em f/1.4 1/200 ISO5600.

Por causa da curvatura das lentes, pontos luz refletem ao redor do quadro gerando um fantasma em forma de “pássaro com asas abertas”, visível nas bordas especialmente em paisagens noturnas. Usando elementos asféricos de altíssima precisão, é possível corrigí-los e devolver a aparência perfeita do ponto, aumentando o realismo da foto. Enquanto outras objetivas se preocupam com resolução, a 58mm f/1.4G só se preocupa em corrigir “sagittal coma flare”.

“SP” em f/1.4 2.5 ISO160

“SP” em f/1.4 2.5 ISO160

Crop 100%, note nas “asas de gaivota” nos pontos de luz da Canon EF 50mm f/1.2L USM.

Crop 100%, note nas “asas de gaivota” nos pontos de luz da Canon EF 50mm f/1.2L USM.

E deu certo? Sim, deu. De fato quando você coloca a 58mm f/1.4G ao lado da Canon EF 50mm f/1.2L USM ou Sigma 50mm f/1.4 DG Art HSM, é possível ver o quanto a Nikon está na frente. As fotos noturnas tem de fato “algo diferente” nas bordas com os pontos de luz perfeitos, orgânicos e nítidos. Mas é só isso. Como veremos a seguir, a resolução, o controle de aberrações e até a nitidez na abertura máxima são praticamente idênticos as outras standard de grande abertura da Nikon, e talvez os US$1700 não façam sentido para a maioria que busca performance óptica bruta.

“Times Square” em f/1.4 1/160 ISO320.

“Times Square” em f/1.4 1/160 ISO320.

Crop 100%, pontos de luz continuam pontos nas bordas; a reason d’étre da AF-S 58mm.

Crop 100%, pontos de luz continuam pontos nas bordas; a reason d’étre da AF-S 58mm.

“Central Park” em f/2.8 1/80 ISO12800; aparência do quadro muda com os pontinhos.

“Central Park” em f/2.8 1/80 ISO12800; aparência do quadro muda com os pontinhos.

“H&M” em f/4 1/200 ISO2200.

“H&M” em f/4 1/200 ISO2200.

Crop 100%, resolução altíssima e pontos de luz nítidos.

Crop 100%, resolução altíssima e pontos de luz nítidos.

“Empire State” em f/4 1/200 ISO11400.

“Empire State” em f/4 1/200 ISO11400.

Crop 100%, você paga por causa disso: pontos de luz perfeitos nas bordas.

Crop 100%, você paga por causa disso: pontos de luz perfeitos nas bordas.

“UWS” em f/1.4 1/200 ISO3600.

“UWS” em f/1.4 1/200 ISO3600.

Crop 100%, nitidez nas linhas e pontos mesmo na abertura máxima.

Crop 100%, nitidez nas linhas e pontos mesmo na abertura máxima.

“UES” em f/1.4 1/200 ISO7200.

“UES” em f/1.4 1/200 ISO7200.

Crop 100%, a distorção é mínima, bem melhor que as objetivas não corrigidas.

Crop 100%, a distorção é mínima, bem melhor que as objetivas não corrigidas.

“Oversize” em f/1.4 1/250 ISO2800.

“Oversize” em f/1.4 1/250 ISO2800.

Crop 100%, aparência quase anamórfica do flare com dois elementos asféricos na fórmula.

Crop 100%, aparência quase anamórfica do flare com dois elementos asféricos na fórmula.

“Queensboro” em f/1.4 1/200 ISO2000.

“Queensboro” em f/1.4 1/200 ISO2000.

Crop 100%, de novo o flare com aparência anamórfica, característico do projeto.

Crop 100%, de novo o flare com aparência anamórfica, característico do projeto.

Não, eu não vi tanta diferença assim no papo do “bokeh” suave na 58mm f/1.4G como outros sites insistem em ver. Tem gente que coloca as 50mm lado a lado com a AF-S 58mm f/1.4 e vê um desfoque mais acentuado, mas o motivo é outro: dã, os 58mm são bem mais longos que os 50mm. A 58mm tem um desfoque suave sim e excelente, sem sinal de linhas repetitivas ou contornos fortes. Mas dizer que é “mais acentuado” que outras objetivas é forçar demais a barra.

“Mulher” em f/1.4 1/1000 ISO160; bokeh suave elimina participação do segundo plano no quadro.

“Mulher” em f/1.4 1/1000 ISO160; bokeh suave elimina participação do segundo plano no quadro.

“Movimento” em f/1.4 1/200 ISO800; vinheta suave na abertura máxima.

“Movimento” em f/1.4 1/200 ISO800; vinheta suave na abertura máxima.

“Movimento em close” em f/1.4 1/200 ISO640; a suavidade é bacana sem linhas repetitivas.

“Movimento em close” em f/1.4 1/200 ISO640; a suavidade é bacana sem linhas repetitivas.

“Hangers” em f/1.4 1/200 ISO900; a aparência geral é muito, muito bonita.

“Hangers” em f/1.4 1/200 ISO900; a aparência geral é muito, muito bonita.

“Halal” em f/1.4 1/160 ISO160.

“Halal” em f/1.4 1/160 ISO160.

Crop 100%, o desfoque vai ficando mais bonito com a distância.

Crop 100%, o desfoque vai ficando mais bonito com a distância.

Crop 100%, e as linhas são completamente misturadas.

Crop 100%, e as linhas são completamente misturadas.

Crop 100%, não dá pra negar a resolução em abertura máxima, não acham?

Crop 100%, não dá pra negar a resolução em abertura máxima, não acham?

“Mato” em f/1.4 1/4000 ISO100; próximo da distância mínima de foco.

“Mato” em f/1.4 1/4000 ISO100; próximo da distância mínima de foco.

Crop 100%, o blooming continua com as outras standard de grande abertura da Nikkor.

Crop 100%, o blooming continua com as outras standard de grande abertura da Nikkor.

“Mato II” em f/1.4 1/4000 ISO160; aparência de redemoinho do segundo plano.

“Mato II” em f/1.4 1/4000 ISO160; aparência de redemoinho do segundo plano.

Crop 100%, a mistura é muito suave de tons sim.

Crop 100%, a mistura é muito suave de tons sim.

Crop 100%, e o centro brilha com muita luz, mas funciona.

Crop 100%, e o centro brilha com muita luz, mas funciona.

“Teacup” em f/1.4 1/200 ISO100.

“Teacup” em f/1.4 1/200 ISO100.

Crop 100%, essa suavidade nas linhas não é comum e especial no projeto.

Crop 100%, essa suavidade nas linhas não é comum e especial no projeto.

“USA” em f/1.4 1/160 ISO100.

“USA” em f/1.4 1/160 ISO100.

Crop 100%, o desfoque é bom em distâncias próximas do plano focal.

Crop 100%, o desfoque é bom em distâncias próximas do plano focal.

Crop 100%, e muito mais suave mais longe do plano.

Crop 100%, e muito mais suave mais longe do plano.

Também não notei qualquer avanço na AF-S 58mm f/1.4G sobre aberrações cromáticas, o que é ruim. Se você fotografar em abertura máxima sob muita luz, é batata que os contornos ganharão bolhas roxas como a AF 50mm f/1.4D de US$333. Seja no desfoque do primeiro plano roxo e verde no segundo, ou mesmo aberrações laterais em pontos de luz, as bolhas continuarão lá. Pra corrigir isso só a Sigma 50mm f/1.4 Art HSM que tenta ser uma Zeiss 55mm f/1.4 Otus de baixo custo. Também elas tem 13/12 (!) elementos, respectivamente, e foram feitas para isso. Esta Nikkor, não.



“Hangers II” em f/1.4 1/200 ISO1000.

“Hangers II” em f/1.4 1/200 ISO1000.

Crop 100%, não, aberrações cromáticas de eixo não foram corrigidas na 58mm.

Crop 100%, não, aberrações cromáticas de eixo não foram corrigidas na 58mm.

“S” em f/8 1/320 ISO160.

“S” em f/8 1/320 ISO160.

Crop 100%, mas as laterais não aparecem em linhas de contraste, típico do design duplo Gauss.

Crop 100%, mas as laterais não aparecem em linhas de contraste, típico do design duplo Gauss.

“Chain” em f/8 1/320 ISO100.

“Chain” em f/8 1/320 ISO100.

Crop 100%, nitidez perfeita como qualquer prime standard em f/8.

Crop 100%, nitidez perfeita como qualquer prime standard em f/8.

“Lustre” em f/1.4 1/200 ISO360.

“Lustre” em f/1.4 1/200 ISO360.

Crop 100%, bolhas roxas em pontos de luz na abertura máxima.

Crop 100%, bolhas roxas em pontos de luz na abertura máxima.

“LOFT” em f/1.4 1/160 ISO100.

“LOFT” em f/1.4 1/160 ISO100.

Crop 100%, CA axial nos dois planos além do focal.

Crop 100%, CA axial nos dois planos além do focal.

“Bike” em f/1.4 1/320 ISO125.

“Bike” em f/1.4 1/320 ISO125.

Crop 100%, blooming e CA axial sob muita luz e abertura máxima.

Crop 100%, blooming e CA axial sob muita luz e abertura máxima.

A resolução da AF-S 58mm f/1.4G também é “menos que perfeita” e o MTF chart da Nikon no lançamento não prometia muito. Os arquivos são suaves em abertura máxima e a resolução só é brutal do f/2.8 pra cima. Mas não considero um argumento contra já que não chega a esconder detalhes no sujeito. É melhor que a AF-S 50mm f/1.4G, sem dúvidas, mas nem aquela objetiva eu achava ruim. Quer resolução clínica no f/1.4? Vá de Zeiss Otus ou Sigma Art, simples assim.

“Girl” em f/1.4 1/800 ISO1800.

“Girl” em f/1.4 1/800 ISO1800.

Crop 100%, resolução não ganhará prêmio, mas não dá pra dizer que é ruim.

Crop 100%, resolução não ganhará prêmio, mas não dá pra dizer que é ruim.

“Times Square II” em f/1.4 1/160 ISO160.

“Times Square II” em f/1.4 1/160 ISO160.

Crop 100%, dá pra reproduzir tudo o que cair no plano focal.

Crop 100%, dá pra reproduzir tudo o que cair no plano focal.

“UN” em f/8 1/640 ISO160.

“UN” em f/8 1/640 ISO160.

Crop 100%, resolução típica das primes de grande abertura em f/8.

Crop 100%, resolução típica das primes de grande abertura em f/8.

“Condo” em f/8 1/320 ISO160.

“Condo” em f/8 1/320 ISO160.

Crop 100%, canto inferior direito, perfeito.

Crop 100%, canto inferior direito, perfeito.

“Condo II” em f/8 1/320 ISO160.

“Condo II” em f/8 1/320 ISO160.

Crop 100%, linhas nítidas com contraste alto.

Crop 100%, linhas nítidas com contraste alto.

“Guggenheim” em f/10 1/250 ISO160.

“Guggenheim” em f/10 1/250 ISO160.

Crop 100%, texturas perfeitas no quadro todo.

Crop 100%, texturas perfeitas no quadro todo.

“WW” em f/8 1/320 ISO720.

“WW” em f/8 1/320 ISO720.

Crop 100%, texturas imersivas nos arquivos.

Crop 100%, texturas imersivas nos arquivos.

“NSWE” em f/8 1/320 ISO160.

“NSWE” em f/8 1/320 ISO160.

Crop 100%, contraste altíssimo em back light graças ao Nano Crystal Coating.

Crop 100%, contraste altíssimo em back light graças ao Nano Crystal Coating.

“Gentrificação” em f/8 1/320 ISO100.

“Gentrificação” em f/8 1/320 ISO100.

Crop 100%, linhas bem definidas em zonas de contraste.

Crop 100%, linhas bem definidas em zonas de contraste.

“Néon” em f/1.4 1/200 ISO100.

“Néon” em f/1.4 1/200 ISO100.

Crop 100%, linhas perfeitas, suaves, e contraste excelente.

Crop 100%, linhas perfeitas, suaves, e contraste excelente.

E por fim a distorção geométrica da AF-S 58mm f/1.4G é alta, visível do foco infinito ao mínimo. Você vê as paredes ficando curvas e o horizonte nas paisagens também ficará distorcido, pedindo correção via software. Mas assumo que é um pouco brochante considerando o preço. Não dá pra esperar muito do projeto óptico que foi feito para correção específica do “saggital coma flare”. Se você parar pra pensar como os raios estão sendo desviados, não é de se espantar que a projeção geométrica do quadro não seja 100% perfeita. Use o Photoshop e seja feliz.

“Flux” em f/8 1/320 ISO900; note o portão e os tijolos entortando.

“Flux” em f/8 1/320 ISO900; note o portão e os tijolos entortando.

“Sprinkler” em f/8 1/320 ISO400; o acabamento de metal também com uma bolha embaixo.

“Sprinkler” em f/8 1/320 ISO400; o acabamento de metal também com uma bolha embaixo.

“Blue collar” em f/4 1/320 ISO400; as linhas do prédio também estão entortando.

“Blue collar” em f/4 1/320 ISO400; as linhas do prédio também estão entortando.

BOKEH COMPARADO

Uma das coisas mais tristes do mercado hoje é como as pessoas atrelam “qualidade” a preço e justificam qualquer “mil dólares” por fantasias da imaginação. Vindo de um background publicitário que explora a insegurança humana pra vender o que você não precisa com um dinheiro que você não tem, é interessante ver o impacto do preço na emoção das pessoas.

NIKON_AFS_NIKKOR_58MM_F14G_24

“Alta resolução”, “bokeh suave” e “qualidade de imagem” são ícones da geração internet para justificar a compra do equipamento fotográfico, e não importa quantos reviews eu escreva nem quantas fotos eu mostre, sempre tem alguém que vai encontrar um detalhezinho mínimo nos arquivos pra justificar “a compra”. É cômico para não dizer trágico e já desisti de entendê-los. :-)

NIKON_AFS_NIKKOR_58MM_F14G_25

A única coisa que alguns sites falam a respeito da AF-S 58mm f/1.4G é como o “bokeh” é o mais suave da Nikon, ignorando qualquer menção ao projeto óptico que controla saggital coma flare e os dois elementos asféricos. Ok, até a Nikon usa este argumento como selling point do projeto, e concordo que o desfoque seja suave, orgânico, bonito. Mas não é nada demais que uma 85mm f/1.4G não faça, ou que projetos antigos de grande abertura já não faziam. A seguir eu mostro exemplos variados de distância e objetivas para vocês concluirem se o bokeh é para vocês ou não.

Nikon AF-S Nikkor 58mm f/1.4G

EM FOCO MÍNIMO

Desconsiderando mudanças de enquadramento, distância focal e iluminação, como se comporta o bokeh de cada objetiva em foco mínimo? A Nikon é a mais longa no standard high end de grande abertura (.58cm), seguida da Canon f/1.2L (.45cm) e Sigma Art (.40cm). Como todas as distâncias mudam, fica impossível compará-las lado a lado. Simples: são todas boas no full frame. Elas são suaves desde o 85mm até o 35mm, com exemplos extras com a 85mm f/1.2L II e Sony RX1r. O fato é, se você precisa de bokeh, aumente a abertura e a distância focal, não importa o preço.

D750 + AF-S 58mm f/1.4G em f/1.4 1/160 ISO100; desfoque suave, sem linhas repetitivas.

D750 + AF-S 58mm f/1.4G em f/1.4 1/160 ISO100; foco mínimo de .58cm gera um desfoque suave, sem linhas repetitivas.

EOS 6D + EF 50mm f/1.2L USM em f/1.4 1/200 ISO160; foco mínimo mais curto gera uma profundidade menor e desfoque mais acentuado.

EOS 6D + EF 50mm f/1.2L USM em f/1.4 1/200 ISO160; foco mínimo mais curto (.45cm) gera uma profundidade menor e desfoque mais acentuado.

D750 + Sigma 50mm f/1.4 DG Art HSM em f/1.4 1/800 ISO1000; foco mínimo ainda mais curto (.40cm) gera um enquadramento e desfoque mais acentuado.

D750 + Sigma 50mm f/1.4 DG Art HSM em f/1.4 1/800 ISO1000; foco mínimo ainda mais curto (.40cm) gera um enquadramento e desfoque mais acentuado.

EOS 6D + EF 85mm f/1.2L II USM em f/1.2 1/250 ISO160; com o foco mínimo longo de .95cm, o enquadramento muda e o desfoque é o menos acentuado.

BONUS: EOS 6D + EF 85mm f/1.2L II USM em f/1.2 1/250 ISO160; com o foco mínimo longo de .95cm, o enquadramento muda e o desfoque é o menos acentuado.

Bonus! Sony RX1R em f/2 1/100 ISO800; com o menor foco mínimo de .20cm, o bokeh é o mais acentuado de todos!

BONUS: Sony RX1R em f/2 1/100 ISO800; com o menor foco mínimo de .20cm, o bokeh é o mais acentuado de todos!

NA MESMA POSIÇÃO DA CÂMERA

Com a câmera no tripé e mesma distância de trabalho, a 58mm mais longa evidentemente terá uma profundidade de campo mais curta, portanto desfoque mais acentuado. E acho que é aqui que os outros sites se perdem. Não dá pra comparar 58mm com 50mm e a diferença é grande.

D750 + AF-S 58mm f/1.4G em f/1.4 1/160 ISO100; arquivo base.

D750 + AF-S 58mm f/1.4G em f/1.4 1/160 ISO100; arquivo base.

EOS 6D + EF 50mm f/1.2L USM em f/1.4 1/160 ISO100; com a mudança de distância focal, a 50mm tem um desfoque menos acentuado.

EOS 6D + EF 50mm f/1.2L USM em f/1.4 1/160 ISO100; com a mudança de distância focal, a 50mm tem um desfoque menos acentuado.

D750 + Sigma 50mm f/1.4 DG Art HSM em f/1.4 1/160 ISO100; é a que tem o desfoque mais confuso, apesar de não ser ruim.

D750 + Sigma 50mm f/1.4 DG Art HSM em f/1.4 1/160 ISO100; é a que tem o desfoque mais confuso, apesar de não ser ruim.

Com a distância foca mais longa, evidente que a 58mm f/1.4G tem o desfoque mais acentuado.

Com a distância foca mais longa, evidente que a 58mm f/1.4G tem o desfoque mais acentuado.

AS 50MM NO MESMO ENQUADRAMENTO DA 58MM

Por fim, mudando a posição das 50mm para enquadrar a cena da mesma forma que a 58mm, conseguimos ter uma ideia de como as objetivas se comportam lado a lado. Então inclui um exemplo da Canon em abertura máxima f/1.2 que as outras duas não fazem, e lembrem que 58mm f/1.4 (ø41.4) é virtualmente o mesmo projeto óptico que os 50mm f/1.2. (ø41.6). Parece até que a Nikon estava mirando na Canon L quando desenhou a 58mm. Sim ou com certeza?

EOS 6D + EF 50mm f/1.2L USM em f/1.2 1/200 ISO100; opticamente é a de maior abertura.

EOS 6D + EF 50mm f/1.2L USM em f/1.2 1/200 ISO100; opticamente é a de maior abertura.

EOS 6D + EF 50mm f/1.2L USM em f/1.4 1/160 ISO100; de novo a exposição é mais clara em f/1.4 porque a vinheta vai embora em comparação a f/1.2.

EOS 6D + EF 50mm f/1.2L USM em f/1.4 1/160 ISO100; de novo a exposição é mais clara em f/1.4 porque a vinheta vai embora em comparação a f/1.2.

D750 + Sigma 50mm f/1.4 DG Art HSM em f/1.4 1/160 ISO100; a Sigma é a única que consegue nitidez no círculo do olho.

D750 + Sigma 50mm f/1.4 DG Art HSM em f/1.4 1/160 ISO100; a Sigma é a única que consegue nitidez no círculo do olho.

A diferença é pequena, mas a Canon em f/1.2 é a que mais consegue desfocar o segundo plano na minha opinião.

A diferença é pequena, mas a Canon em f/1.2 é a que mais consegue desfocar o segundo plano na minha opinião.

Mas na prática a diferença é muito pequena para justificar a compra. São todas suaves pra caramba!

Mas na prática a diferença é muito pequena para justificar a compra. São todas suaves pra caramba!

Mas a Sigma é a única que consegue renderizar o centro do olho com nitidez.

Mas a Sigma é a única que consegue renderizar o centro do olho com nitidez.

VEREDICTO

O que me leva a pergunta: A AF-S 58mm f/1.4G vale US$1700? Sinceramente… Vale. Ela faz o que promete e corrige as “asas de pássaro” em pontos-de-luz-nas-bordas-em-abertura-máxima-em-paisagens-noturnas, que nenhuma outra standard se propõe a fazer. Se é o que você fotografa todos os dias, nem pense duas vezes: a Nikon fez uma objetiva só você e pode ser a única peça do seu kit. Ela compete lado a lado com Canon e Sigma no mercado high end, mas com uma proposta totalmente diferente e na minha opinião mais útil que a abertura f/1.2 ou a alta resolução clínica.

Nikon AF-S Nikkor 58mm f/1.4G

Agora se os US$1700 valem mais no bolso da maioria dos fotógrafos do que os pontos-de-luz-nas-bordas-em-abertura-máxima-em-paisagens-noturnas? Sem dúvidas. Esta objetiva não é para quem tem o orçamento apertado e não faz nada por resolução e controle de aberrações. É uma objetiva específica, feita para um nicho pequeno, e admiro a Nikon de tê-la trazido a vida. É como as tilt-shift. É como as macro super longas. É como as telephoto de grandíssima abertura. Elas não são caras considerando o que ela fazem, mas também não são “peças comerciais” do dia a dia. Se você trabalha com paisagens noturnas, é a lente pra você. Se não trabalha com isso, caia fora!