Canon EF 100-300mm f/4.5-5.6 USM

Pés no chão

Setembro/2015 – A EF 100-300mm f/4.5-5.6 USM é uma das objetivas mais curiosas que já vimos no vlog do zack. Ela é curiosa porque eu sempre falo de equipamentos high end, e fica a impressão que os low end são inferiores. E não são. Lançada em 1990 por US$270, a 100-300mm vem de um tempo quando a Canon não podava os produtos para encaixá-los ao apetite do mercado. Apesar do preço baixo, ela tem sistema de foco interno USM, com suporte ao full time manual; mount de metal, filtros que não giram… O segredo do preço é a construção dependente do plástico e especificação com abertura variável, além da óptica simplificada. Vamos ver? (english)



CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO

Canon EF 100-300mm f/4.5-5.6 USM

Em 121x69mm de 540 gramas, a 100-300mm chama a atenção pela dimensão fechada. Ela é 2cm mais curta que a atual EF 70-300mm IS USM (144mm) e os “300mm” mais simples que eu tenho no kit. Ela chama menos atenção que a “pompa” da IS USM, menos atenção que a gorducha DO (diffractive optics), e nem precisamos comentar da L IS USM branca que eu nunca nem tive coragem de usar. Quando não quero “carregar nada” no telephoto, a 100-300mm é a minha opção.

Canon EF 100-300mm f/4.5-5.6 USM

A construção é feita com plásticos duros e mount de metal. Os tubos não balançam quando a objetiva está totalmente aberta, em 17cm nos 300mm, e passa a impressão de solidez. O anel de zoom é enorme, quase o tubo externo inteiro além da parte emborrachada. Mas o movimento não é tão suave, uma vez que o projeto antigo não contava com os rolamentos gigantes de hoje. O que é até bom para evitar o zoom creep, sem a necessidade do LOCK pra segurar tudo no lugar.

Canon EF 100-300mm f/4.5-5.6 USM

Do lado de dentro o sistema de foco USM é destaque no projeto. Ele é instantâneo porque é “ring type”, aquele motor que vai ao redor do grupo de foco, e não ao lado. E é silencioso que já não usa engrenagens como a 70-300mm USM atual que tem um “micro motor” USM. São estes detalhes internos que a Canon aproveita pra tirar do equipamento no “dumb down” que o mercado está hoje, e beira o “irritante”. Se tem quem compre uma STM e ache um bom negócio, pra quê fazer uma objetiva USM ring-type, não é mesmo? We’re doomed.

Canon EF 100-300mm f/4.5-5.6 USM

O anel de foco da 100-300mm, traseiro e próximo da câmera, não mexe durante o AF, também superior a 70-300mm IS USM. Ele pode ser usado a qualquer momento e não depende do desengate do botão AF/MF, como na objetiva nova. E o grupo interno da 100-300mm tem design parfocal: depois de ajustado no lugar certo, os movimentos negativos no zoom (300>100) não mudarão o foco de lugar. Isso evita o “focus breathing”, útil para a gravação de vídeos sem mudança de enquadramento, e é outro recurso interessante do passado.

Canon EF 100-300mm f/4.5-5.6 USM

A EF 100-300mm tem até janela de distância com escala para filme infra-vermelho, que as 75-300mm básicas e 70-300mm IS USM não tem. Ela aceita filtros de ø58mm na frente com uma rosca profunda para acomodar também o lens hood, este que não vai num trilho próprio. E há um pedaço de borracha macia na ponta, que só posso imaginar estar ali por proteção. Se a objetiva bater em alguma coisa, o impacto será menor.

Canon EF 100-300mm f/4.5-5.6 USM

No geral a 100-300mm tem o look de uma objetiva antiga porque o plástico não é texturizado, mas sinceramente se comporta melhor que as equivalentes novas. A EF 70-300mm f/4-5.6 IS USM tem a estética atual mas na pratica faz menos: o anel de foco gira com o motor, expande o tubo interno e roda o elemento da frente, tornando o uso com polarizadores um inferno. As EF 75-300mm III e III USM são toscas com construção porca e operação medíocre, sem comparação. E pra quem está no APS-C, a EF-S 55-250mm IS STM fica devendo no AF “mole” do stepping motor, bem mais devagar.

Canon EF 100-300mm f/4.5-5.6 USM

Então a EF 100-300mm USM vale pela usabilidade e simplicidade, atributos que a Canon não sabe cobrar pouco hoje. Quem está com o orçamento apertado, vale olhar para o mercado de usadas e as opções “vintage”, que eu prometo trazer mais por aqui. Elas são opções de peso na escolha de uma objetiva pro kit e não devem ser mal vistas. Fica a dica!



QUALIDADE DE IMAGEM

“Dança” em f/5.6 1/100 ISO3200 @ 300mm.

“Dança” em f/5.6 1/100 ISO3200 @ 300mm.

*Todas as fotos com a EOS 20D. Alguns arquivos raw disponíveis no Patreon.

Com uma fórmula de 13 elementos em 10 grupos, sem vidros especiais, a Canon não prometia nada além de uma zoom telephoto com abertura variável por US$270. Baixas expectativas = altas chances de surpreender. E deu certo! A performance é justa: resolução perfeita no centro em 100mm f/4.5; caindo em 300mm f/5.6. Nas bordas um ou dois stops fechados ajudam bastante, até o f/11. E as cores são neutras, com contraste bacana para pós-processar.

“Dança II” em f/8 1/500 ISO3200 @ 300mm.

“Dança II” em f/8 1/500 ISO3200 @ 300mm.

Testada na EOS 20D, com apenas 8MP e pixels tão grandes quanto uma EOS 5D Mark II, a difração não foi um problema. Resultado: fotos extremamente nítidas num pacote simples e, repito, barato no mercado de usadas. Não vou nem me preocupar em “analisar” aberrações porque a proposta não é essa: ela é uma lente acessível, para fotografar sem frescuras. Se a saída for prints modestos até A3, ou web como aqui no blog/Instagram, dá pra se divertir no telephoto gastando pouco. 

“Dança III” em f/9 1/640 ISO3200 @ 300mm.

“Dança III” em f/9 1/640 ISO3200 @ 300mm.

“Retrato” em f/8 1/500 ISO1600 @ 300mm.

“Retrato” em f/8 1/500 ISO1600 @ 300mm.

“Retrato II” em f/8 1/500 ISO1600 @ 300mm.

“Retrato II” em f/8 1/500 ISO1600 @ 300mm.

Crop 100%, detalhe a partir de um arquivo JPEG, textura da pele e inscrição no cigarro.

Crop 100%, detalhe a partir de um arquivo JPEG, textura da pele e inscrição no cigarro.

“Retrato III” em f/6.3 1/400 ISO1600 @ 300mm, note a suavidade do bokeh.

“Retrato III” em f/6.3 1/400 ISO1600 @ 300mm, note a suavidade do bokeh.

Crop 100%, variação de foco e imperfeição da objetiva, mas que não aparecem em impressões modestas.

Crop 100%, variação de foco e imperfeição da objetiva, mas que não aparecem em impressões modestas.

“Retrato IV” em f/8 1/500 ISO400 @ 300mm.

“Retrato IV” em f/8 1/500 ISO400 @ 300mm.

Crop 100%, se você acertar o foco e a exposição, o resultado é MUITO nítido. O_o

Crop 100%, se você acertar o foco e a exposição, o resultado é MUITO nítido. O_o

Crop 100%, impossível negar a resolução desta objetiva mesmo nos 300mm.

Crop 100%, impossível negar a resolução desta objetiva mesmo nos 300mm.

“Xi’an” em f/6.3 1/200 ISO3200 @ 100mm.

“Xi’an” em f/6.3 1/200 ISO3200 @ 100mm.

“Guangxi” em f/11 1/500 ISO800 @ 100mm.

“Guangxi” em f/11 1/500 ISO800 @ 100mm.

Crop 100%, alguma dúvida do “poder” desta objetiva em 100mm no APS-C?

Crop 100%, alguma dúvida do “poder” desta objetiva em 100mm no APS-C?

“Shed” em f/7.1 1/400 ISO800 @ 300mm.

“Shed” em f/7.1 1/400 ISO800 @ 300mm.

Crop 100%, a resolução cai sim, mas nada que destrua um arquivo.

Crop 100%, a resolução cai sim, mas nada que destrua um arquivo.

“Guillin” em f/11 1/500 ISO400 @ 100mm.

“Guillin” em f/11 1/500 ISO400 @ 100mm.

“Cape Town” em f/8 1/250 ISO100 @ 100mm.

“Cape Town” em f/8 1/250 ISO100 @ 100mm.

Crop 100%, 100mm, a melhor posição desta objetiva!

Crop 100%, 100mm, a melhor posição desta objetiva!

Crop 100%, de ponta a ponta do quadro, resolução de sobra!

Crop 100%, de ponta a ponta do quadro, resolução de sobra!

“Cape Town II” em f/8 1/320 ISO100 @ 100mm.

“Cape Town II” em f/8 1/320 ISO100 @ 100mm.

Crop 100%, o contraste é perfeito no f/8.

Crop 100%, o contraste é perfeito no f/8.

“Cape Town III” em f/8 1/250 ISO100 @ 100mm.

“Cape Town III” em f/8 1/250 ISO100 @ 100mm.

Crop 100%, mínimo vazamento de luz numa objetiva de US$270.

Crop 100%, mínimo vazamento de luz numa objetiva de US$270.

“Cape Town IV” em f/13 1/800 ISO100 @ 100mm.

“Cape Town IV” em f/13 1/800 ISO100 @ 100mm.

Crop 100%, a resolução aumenta em f/13 e a EOS 20D não sofre com difração.

Crop 100%, a resolução aumenta em f/13 e a EOS 20D não sofre com difração.

“Table Mountain” em f/8 1/320 ISO100 @ 100mm.

“Table Mountain” em f/8 1/320 ISO100 @ 100mm.

Crop 100%, vibração tirou um pouco da nitidez mas não influenciará em prints.

Crop 100%, vibração tirou um pouco da nitidez mas não influenciará em prints.

“Table Mountain II” em f/71. 1/250 ISO100 @ 100mm.

“Table Mountain II” em f/71. 1/250 ISO100 @ 100mm.

Crop 100%, texturas perfeitas para prints imensos.

Crop 100%, texturas perfeitas para prints imensos.

“Leoa” em f/5.6 1/640 ISO400 @ 300mm.

“Leoa” em f/5.6 1/640 ISO400 @ 300mm.

“Leoa II” f/5.6 1/320 ISO400 @ 300mm.

“Leoa II” f/5.6 1/320 ISO400 @ 300mm.

Crop 100%, abertura máxima em 300mm; dá pra viver, vai? :-D

Crop 100%, abertura máxima em 300mm; dá pra viver, vai? :-D

“PB” em f/4.5 1/2500 ISO800 @ 100mm.

“PB” em f/4.5 1/2500 ISO800 @ 100mm.

Crop 100%, perfeição dos 100mm sempre impressiona.

Crop 100%, perfeição dos 100mm sempre impressiona.

“Girafas” em f/4.5 1/1600 ISO400 @ 100mm.

“Girafas” em f/4.5 1/1600 ISO400 @ 100mm.

Crop 100%, detalhe dos 100mm.

Crop 100%, detalhe dos 100mm.

“Girafa close” em f/5.6 1/1600 ISO400 @ 300mm; alcance da tele objetiva.

“Girafa close” em f/5.6 1/1600 ISO400 @ 300mm; alcance da tele objetiva.

Crop 100%, bigodes em baixa profundidade de campo.

Crop 100%, bigodes em baixa profundidade de campo.

“Bichinho” em f/7.1 1/400 ISO1600 @ 300mm, próximo da distância mínima de foco.

“Bichinho” em f/7.1 1/400 ISO1600 @ 300mm, próximo da distância mínima de foco.

Crop 100%, curtíssima profundidade de campo.

Crop 100%, curtíssima profundidade de campo.

“Macaco” em f/7.1 1/400 ISO400 @ 240mm.

“Macaco” em f/7.1 1/400 ISO400 @ 240mm.

Crop 100%, de novo, performance aceitável se você não exigir demais.

Crop 100%, de novo, performance aceitável se você não exigir demais.

“Macaco II” em f/8 1/500 ISO1600 @ 300mm.

“Macaco II” em f/8 1/500 ISO1600 @ 300mm.

Crop 100%, limite do projeto. Qualquer coisa um pouco melhor custará muito mais.

Crop 100%, limite do projeto. Qualquer coisa um pouco melhor custará muito mais.

“Macacos” em f/5.6 1/1600 ISO800 @ 200mm.

“Macacos” em f/5.6 1/1600 ISO800 @ 200mm.

Crop 100%, abertura máxima de uma objetiva de US$270.

Crop 100%, abertura máxima de uma objetiva de US$270.

“Babuíno” em f/5.6 1/160 ISO 100 @ 100mm.

“Babuíno” em f/5.6 1/160 ISO 100 @ 100mm.

Crop 100%, Wella feat. L’Oreal feat. Seda

Crop 100%, Wella feat. L’Oreal feat. Seda

“Rhino” em f/9 1/400 ISO1600 @ 100m, aparência do flaring sobre a imagem.

“Rhino” em f/9 1/400 ISO1600 @ 100m, aparência do flaring sobre a imagem.

“Zebras” em f/7.1 1/500 ISO400 @ 300mm.

“Zebras” em f/7.1 1/500 ISO400 @ 300mm.

Crop 100%, resolução OK no centro do quadro.

Crop 100%, resolução OK no centro do quadro.

“Gecco” em f/14 1/1600 ISO1600 @ 300mm.

“Gecco” em f/14 1/1600 ISO1600 @ 300mm.

Crop 100%, texturas perfeitas em aberturas pequenas.

Crop 100%, texturas perfeitas em aberturas pequenas.

VEREDICTO

Um objetiva acessível e simples, mas com operação de ponta. Esta é a EF 100-300mm f/4.5-5.6 USM. Parece “qualquer porcaria” no mercado de usadas, inclusive o brasileiro por R$500 (vejam no Mercado Livre). Porém observando as fotos, o alcance e a flexibilidade, fica difícil argumentar contra a performance e as imagens que entrega. Está é daquelas objetivas que me fazem questionar a essência do vlog do zack: o high end entrega fotos melhores? Quantas objetivas eu terei de mostrar para convencê-los “qualquer uma” faz o trabalho? Boas fotos!