Canon EF 70-300mm f/4-5.6 IS USM

Zoom telephoto intermediário

Junho/2015 – A EF 70-300mm f/4-5.6 IS USM apresentada em outubro de 2005 é a substituta da antiga 75-300mm IS de 1995; a primeira zoom telephoto do mundo com estabilizador embutido. Dotada de nova fórmula óptica que inclui um elemento UD, ela resolve o problema que grupos ópticos retos típicos do telephoto tem com a superfície lisa dos sensores digitais. As luz reflete  quando os dois planos polidos são paralelos, como um espelho, registrando um fantasma; daí a necessidade de atualizar os projetos para a “era digital”. Dito e feito, as fotos da nova versão tem maior contraste e cores vibrantes, com performance óptica muito boa. É o destaque da minha experiência com a 70-300mm IS USM: não conseguir tirar uma foto ruim com ela. (english)

“Garça branca” com a EOS 6D em f/5.6 1/3000 ISO800 @ 200mm.

“Garça branca” com a EOS 6D em f/5.6 1/3000 ISO800 @ 200mm.

E o estabilizador IS também recebeu upgrade para a terceira geração, agora com até três stops de correção e dois modos, além da detecção automática de tripé. A abertura de oito blades ficou circular para desfoque mais suave em qualquer f/stop. O range no short telephoto diminuiu 5mm. E a construção totalmente de plástico foi simplificada para perder 20g, com 630g totais. Ela chegou no vlog do zack por curiosidade de experimentar mais uma 70-300mm da linha Canon, que hoje tem quatro modelos: a 75-300mm simples, esta 70-300mm IS USM intermediária, a 70-300mm DO Fresnel que vimos há algum tempo, e a high end 70-300mm L. Nem no topo da linha, nem na base da pirâmide, como será que ela se comporta? Vale a pena para o seu kit? Boa leitura!



CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO

Canon EF 70-300mm f/4-5.6 IS USM

A primeira impressão que a EF 70-300mm f/4-5.6 IS USM passa nas mãos é de solidez. Da mesma geração da EF 24-105mm f/4L IS USM, a construção é toda de plástico com mount de metal e tubo de zoom que expande num único estágio. O comprimento de 142mm fechado em 70mm sobe para 195mm aberto em 300mm, e o foco mínimo expande ainda outros 17mm, para um total de 212mm. Monte o hood ET-65B compatível, não incluído na caixa, e o tamanho pula para enormes 320mm.

Canon EF 70-300mm f/4-5.6 IS USM

Mas o tamanho não chega a ser um incomodo no dia a dia, com amplo espaço para as mãos e operação simples. No meio fica o anel de zoom gigante, leve e fácil de usar, e na frente está o anel de foco manual, também grande mas mal implementado, a principal reclamação física do modelo. A Canon optou por um motor micro-USM que não suporta o full time manual, e o anel de foco gira durante o AF. Então você deve manter os dedos longe para não esbarrar e forçar o motor, o que nem sempre é possível ao estabilizarmos uma objetiva tão longa. Até o elemento da frente gira durante o foco, tornando o uso de polarizadores um inferno.

Canon EF 70-300mm f/4-5.6 IS USM

E o AF não é tão esperto quanto eu gostaria. A precisão deixa a desejar em modo AI Servo especialmente em 300mm e f/5.6, quando a profundidade de campo é curta. A EOS 6D confirmou o foco diversas vezes, mas estava bem fora do plano quando fui rever as fotos. Tive de ajustar as Custom Function do módulo phase para diminuir a velocidade e aumentar a precisão. E na hora de focar manualmente você é obrigado a mover a alavanca AF/MF, que está lá atrás, perto do mount, para liberar o anel da frente. Só em MF ele gira livremente e tem hard stops no infinito e no foco mínimo (1.5m), movimentando o tubo interno para frente e para trás, além de girá-lo.

Canon EF 70-300mm f/4-5.6 IS USM

“Tamanduá Mirim” com a EOS 6D em f/5.6 1/180 ISO800 @ 300mm; distância máxima + AI SERVO, extrapolando os limites do sistema phase.

O destaque vai para a implementação do IS de terceira geração. Ele é extremamente suave e cumpre o que promete. Dá para fotografar tranquilamente fora da regra 1/distância focal, tipo 1/45 nos 300mm, fantástico. É o meu recurso favorito e uma mão na roda depois que o sol se põe, para não subir o ISO demais e compensar no obturador. Ele faz um barulho discreto como outras IS, e funciona durante o AE e gravação de vídeos. O modo 2 serve para panning, como seguir carros de corrida na pista. E ele detecta automaticamente o tripé, embora eu não tenha testado.

“São Paulo” com a EOS 6D em f/13 1/45 ISO100 @ 300mm; exposição sem tripé, só com o estabilizador.

“São Paulo” com a EOS 6D em f/13 1/45 ISO100 @ 300mm; exposição sem tripé, só com o estabilizador.

Na frente os filtros de ø58mm não custam caro mas giram durante a operação do foco. ND graduados e polarizadores, úteis no telephoto, terão de ser ajustados o tempo inteiro. E como o projeto não é parfocal, a distância de foco muda com a posição do zoom, piorando as coisas. Entendo que estamos abaixo dos US$700 e alguns cortes teriam de ser feitos, mas não precisava jogar tudo no foco automático, com estas peças que giram. Duvido que a Canon fará um upgrade STM no futuro, mas sim USM, cobrando os dólares a mais como fez na EF 35mm f/2 IS USM.



QUALIDADE DE IMAGEM

“Flamingo-rosa” em f/5.6 1/750 ISO800 @ 300mm.

“Flamingo-rosa” em f/5.6 1/750 ISO800 @ 300mm. Raw disponível no Patreon.

Com 15 elementos em 10 grupos, um deles UD, a performance óptica da EF 70-300mm f/4-5.6 IS USM é muito boa. São fotos com contraste acentuado e cores vibrantes que exigem pouco pós-processamento para saltar na tela; indícios do projeto “novo”, com pouco mais de uma década e vidros de alta qualidade. É difícil lançar “qualquer porcaria” hoje em dia e este modelo deve ser tratado como tal: uma objetiva moderna, de alto desempenho, com ótima relação custo/benefício nas imagens que entrega. As dificuldades estarão na operação do telephoto, com profundidade de campo baixa e exigência de foco preciso. * Todas as fotos com a Canon EOS 6D.

“Arara Piranga” em f/5.6 1/1500 ISO12800 @ 300mm.

“Arara Piranga” em f/5.6 1/1500 ISO12800 @ 300mm.

Independente da abertura e distância focal, os arquivos saíram nítidos, cheios de detalhes e com alto contraste. É diferente de algumas objetivas low cost como a EF 100-300mm USM de 1995, que produz fotos sem graça e sem cores na distância máxima. A 70-300mm IS USM não. Quem compra uma zoom longa provavelmente pretende usá-la no final do range, e a ela se comporta bem apesar de não fazer parte da linha Luxury. Sim, você percebe alguns sinais de aberração cromática nos planos fora de foco, afinal não temos vidros high end como peças fluorite ou Super UD. Mas também não dá para reclamar da performance quando as foto saem bacanas repetidas vezes.

“Grou Coroado” em f/5.6 1/750 ISO400 @ 300mm.

“Grou Coroado” em f/5.6 1/750 ISO400 @ 300mm. Raw disponível no Patreon.

Crop 100%, super detalhes no centro do quadro.

Crop 100%, super detalhes no centro do quadro.

“Pelicano” em f/11 1/350 ISO400 @ 300mm.

“Pelicano” em f/11 1/350 ISO400 @ 300mm. Raw disponível no Patreon.

Crop 100%, performance impressiona no centro para uma zoom.

Crop 100%, performance impressiona no centro para uma zoom.

“Arara Piranga” em f/5.6 1/750 ISO12800 @ 300mm.

“Arara Piranga” em f/5.6 1/750 ISO12800 @ 300mm. Raw disponível no Patreon.

“Arara Azul” em f/5.6 1/750 ISO12800 @ 300mm.

“Arara Azul” em f/5.6 1/750 ISO12800 @ 300mm.

Crop 100%, detalhes perfeitos, mas note como a profundidade de campo é curtíssima.

Crop 100%, detalhes perfeitos, mas note como a profundidade de campo é curtíssima.

“Elefante” em f/5.6 1/350 ISO200 @ 300mm.

“Elefante” em f/5.6 1/350 ISO200 @ 300mm. Raw disponível no Patreon.

“Elefante II” em f/5.6 1/500 ISO200 @ 300mm.

“Elefante II” em f/5.6 1/500 ISO200 @ 300mm.

Crop 100%, contraste alto mesmo em f/5.6.

Crop 100%, contraste alto mesmo em f/5.6.

“Hipopótamo” em f/8 1/350 ISO1600 @ 300mm.

“Hipopótamo” em f/8 1/350 ISO1600 @ 300mm.

Crop 100%, leve perda de nitidez porque o bicho se mexeu.

Crop 100%, leve perda de nitidez porque o bicho se mexeu.

“Puma” em f/5.6 1/1000 ISO6400 @ 300mm.

“Puma” em f/5.6 1/1000 ISO6400 @ 300mm.

Crop 100%, resolução alta, profundidade da campo baixa.

Crop 100%, resolução alta, profundidade da campo baixa.

Elogios vão para o desfoque acentuado que é difuso e vibrante, excelente para isolar o sujeito em composições de cores opostas. Não, a abertura não é extrema como a primes L f/2.8 ou f/4, mas os 300mm f/5.6 fazem mais que o suficiente para gerar profundidade de campo curtíssima e o bokeh agrada aos olhos. O diafragma circular elimina highlights com formas alienígenas inclusive fora da abertura máxima, e vale fotografar em f/8 e f/13 para conseguir sujeitos com mais impressão de foco, sem perder o look que os sensores grandes fazem. A vinheta é discreta nas bordas do full frame, deixando livre sua inclusão via software, com arquivos neutros direto da câmera.



“Grou Coroado II” em f/5.6 1/3000 ISO800 @ 300mm.

“Grou Coroado II” em f/5.6 1/3000 ISO800 @ 300mm.

Crop 100%, detalhes no centro contra o fundo totalmente desfocado.

Crop 100%, detalhes no centro contra o fundo totalmente desfocado.

“Arara Canindé” em f/10 1/350 ISO12800 @ 300mm; desfoque em f/10.

“Arara Canindé” em f/10 1/350 ISO12800 @ 300mm; desfoque em f/10. Raw disponível no Patreon.

Crop 100%, ótimos detalhes, mas nitidez perdida por ISO alto.

Crop 100%, ótimos detalhes, mas nitidez perdida por ISO alto.

“Rinoceronte” em f/8 1/180 ISO800 @ 300mm; aparência do quadro a distância em f/8.

“Rinoceronte” em f/8 1/180 ISO800 @ 300mm; aparência do quadro a distância em f/8. Raw disponível no Patreon.

Crop 100%, texturas um pouco suaves em distância máxima.

Crop 100%, texturas um pouco suaves em distância máxima.

“Abutre de cabeça branca” em f/5.6 1/90 ISO3200 @ 300m; aparência de uma grade na frente.

“Abutre de cabeça branca” em f/5.6 1/90 ISO3200 @ 300m; aparência de uma grade na frente.

Crop 100%, resolução bacana no centro.

Crop 100%, resolução bacana no centro.

“Tucano” em f/5.6 1/250 ISO3200.

“Tucano” em f/5.6 1/250 ISO3200.

“Grou Coroado III” em f/5.6 1/1000 ISO800 @ 300mm.

“Grou Coroado III” em f/5.6 1/1000 ISO800 @ 300mm. Raw disponível no Patreon.

Crop 100%, resolução altíssima, mas já começamos a notar algumas aberrações.

Crop 100%, resolução altíssima, mas já começamos a notar algumas aberrações.

“Tamanduá Mirim II” em f/5.6 1/1000 ISO3200 @ 300mm, sujeito isolado no quadro.

“Tamanduá Mirim II” em f/5.6 1/1000 ISO3200 @ 300mm, sujeito isolado no quadro. Raw disponível no Patreon.

Crop 100%, foco perfeito da EOS 6D.

Crop 100%, foco perfeito da EOS 6D.

“Tamanduá Mirim III” em f/5.6 1/1500 ISO3200 @ 300mm.

“Tamanduá Mirim III” em f/5.6 1/1500 ISO3200 @ 300mm.

Crop 100%, corte em cima, profundidade de campo curta.

Crop 100%, corte em cima, profundidade de campo curta.

“Gato” em f/5.6 1/180 ISO800 @ 300mm; exemplo de desfoque longe do MFD.

“Gato” em f/5.6 1/180 ISO800 @ 300mm; exemplo de desfoque longe do MFD. Raw disponível no Patreon.

"Flores" em f/5.6 1/1500 ISO800 @ 300mm.

“Flores” em f/5.6 1/1500 ISO800 @ 300mm. Raw disponível no Patreon.

“Borboleta” em f/5.6 1/500 ISO800 @ 300mm; bokeh excelente.

“Borboleta” em f/5.6 1/500 ISO800 @ 300mm; bokeh excelente. Raw disponível no Patreon.

Crop 100%, foco perfeito!

Crop 100%, foco perfeito!

De negativo são alguns contornos coloridos em áreas fora de foco contra luz, com bolhas roxas na frente e verdes atrás. É difícil de ver porque é difícil de acontecer, só no plano imediato do foco mesmo como alguns centímetros pra frente e atrás; não a metros de distância do sujeito. E a maior dificuldade é conseguir objetos tridimensionais completamente em foco, já que a profundidade de campo em 300mm é curtíssima, lembre sempre disso. Por não ser uma objetiva de grande abertura, é fácil esquecer que o foco beira os milímetros. Então a principal razão para não vermos testes de borda a borda do quadro é porque os meus sujeitos estavam em distâncias diferentes e simplesmente fora do foco, sem chances para definição no quadro todo.

"Flamingo Rosa II” em f/5.6 1/1500 ISO800 @ 300mm.

“Flamingo Rosa II” em f/5.6 1/1500 ISO800 @ 300mm.

Crop  100%, sinais leves se CA axial.

Crop 100%, sinais leves se CA axial.

“Gavião de Penacho” em f/5.6 1/350 ISO1600 @ 300mm.

“Gavião de Penacho” em f/5.6 1/350 ISO1600 @ 300mm. Raw disponível no Patreon.

Crop 100%, aberração cromática caótica numa única foto…

Crop 100%, aberração cromática caótica numa única foto…

Crop 100%, e resolução de sobra onde deve ter.

Crop 100%, e resolução de sobra onde deve ter.

“Elefante” em f/8 1/350 ISO800 @ 300mm.

“Elefante” em f/8 1/350 ISO800 @ 300mm. Raw disponível no Patreon.

Crop 100%, texturas + contraste no centro…

Crop 100%, texturas + contraste no centro…

Crop 100%, mas profundidade de campo é tão curta que é difícil fazer um quadro de ponta a ponta nítido.

Crop 100%, mas profundidade de campo é tão curta que é difícil fazer um quadro de ponta a ponta nítido.

“Crocodilo” em f/13 1/125 ISO800 @ 300mm.

“Crocodilo” em f/13 1/125 ISO800 @ 300mm. Raw disponível no Patreon.

Crop 100%, perfeição no centro…

Crop 100%, perfeição no centro…

Crop 100%, mas nem em f/13 a profundidade de campo aumenta muito.

Crop 100%, mas nem em f/13 a profundidade de campo aumenta muito.

“Cauda” em f/8 1/250 ISO200 @ 300mm.

“Cauda” em f/8 1/250 ISO200 @ 300mm. Raw disponível no Patreon.

Crop 100%, detalhes da EOS 6D.

Crop 100%, detalhes da EOS 6D.

“Crocodilo II” em f/8 1/350 ISO200 @ 300mm.

“Crocodilo II” em f/8 1/350 ISO200 @ 300mm. Raw disponível no Patreon.

Crop 100%, performance no f/8…

Crop 100%, performance no f/8…

Crop 100%, e a sorte de um quadro sujeito plano, com tudo no mesmo plano focal.

Crop 100%, e a sorte de um quadro sujeito plano, com tudo no mesmo plano focal.

VEREDICTO

No final o resultado das fotos é excelente e a EF 70-300mm f/4-5.6 IS USM não deveu em nada para outras objetivas mais caras que já usei. O álbum saiu colorido e com alto contraste, as imagens são de grande impacto não importa a saída (web ou print), e ela não exigiu muito para isso, apesar da chatísse com o anel da frente que gira. Para um projeto de US$699 eu não esperava muito, mas ela é prova da expertise Canon no telephoto. Se vale para o seu kit? Com certeza. Foi a mesma diversão que eu tive com a “básica” EF 70-200mm f/4L USM que fará jus ao seu sujeito se ele for interessante, colorido e estiver longe. Minha próxima vítima será a série L topo de linha, mas francamente? Duvido que ela entregará fotos muito melhores. Abraços!