Nikon AF-S Nikkor 50mm f/1.8G

A caçula da família AF-S

Janeiro/2015 – A Nikon 50mm f/1.8G é uma das objetivas mais interessantes da linha Nikkor. Lançada em 2011, ela conta com um projeto novo de sete elementos e altíssima qualidade de imagem; características que só lançamentos mais caros chamam a atenção do mercado. O preço baixo ($216), o tamanho compacto e a facilidade no uso são todos injustamente ignorados por fotógrafos que se sentem mais seguros quando pagam um alto valor. No lugar de ostentar uma abertura simbólica como a Sigma 50mm f/1.4 DG (US$949) a f/1.8G “só″ entrega resolução fantástica e bokeh bacana; desempenho típico das objetivas Nikkor 50mm dos últimos 50 anos, e motivo de orgulho para os fotógrafos F mount. Será que vale para você? Boa leitura! (english)



CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO

Nikon AF-S Nikkor 50mm f/1.8G

Com 187g de 7 elementos em 6 grupos, a AF-S 50mm f/1.8G é o primeiro upgrade óptico num projeto Nikon f/1.8 desde 1978. Além do elemento extra asférico, pela primeira vez numa 50mm Nikkor, a f/1.8G é também a primeira AF-S capaz de focar automaticamente com qualquer DSLR. O modelo que ela substitui, a super popular AF 50mm f1/.8D, depende do motor de foco automático da câmera e os parafusos de conexão que só as topo de linha D7### e D4, D6##, D7## e D8## tem; modelos de entrada D5### e D3### não tem. Então a f/1.8G é um upgrade bem vindo a modernidade, compatível com todas as câmeras digitais, para amadores e profissionais.

Nikon AF-S Nikkor 50mm f/1.8G

Projeto da linha “G” (genesis), a 50mm f/1.8G perdeu o anel de abertura da 50mm f/1.8D, e agora deve ser controlada totalmente pela câmera. Por um lado isso é bom porque a construção ficou mais robusta, com um único tubo sólido de plástico do lado de fora, sem nenhum corte na construção. Não há qualquer chance dela “dividir ao meio” se cair no chão. E com um anel de borracha no mount, dá até para palpitar que ela tem weather sealing parcial, já que dificilmente a água encontrará o caminho para o lado de dentro. Mas agora ela não é compatível com as SLR Nikon F clássicas, que não conseguem controlar a abertura no corpo.

Nikon AF-S Nikkor 50mm f/1.8G

Do lado de dentro a especificação AF-S usa um motor SWM de foco automático silencioso e rápido; típico de qualquer lente recente. Mas ela tem uma janelinha de distância relativamente grande, coisa que poucos lançamentos ainda tem. O anel de foco manual é “justo” para o nível e preço do equipamento, com movimento suave e preciso. Não há atrasos entre a posição dos dedos e das peças internas. E como a grande maioria das AF-S, suporta o full time manual. A qualquer momento você pode usá-lo sem desengatar o motor do anel (full time manual).

Nikon AF-S Nikkor 50mm f/1.8G

O desempenho AF também é “justo” e funciona durante o dia, em objetos estáticos, sem grandes novidades. Mas a noite ele fica devendo junto da D800E. Em fotos de ação, clicadas de dentro de um carro em movimento, este kit nunca chegou no foco correto e modo contínuo. Não que seja uma tarefa simples e que outras lentes da mesma classe consigam resultados muito superiores. Mas a AF-S 50mm f/1.4G definitivamente é mais esperta e exige menos do fotógrafo para acertar o foco, em qualquer situação. Pode fazer diferença pra quem exige desempenho máximo do AF.

“Girl on bike” com a D800E em f/1.8 1/125 ISO3200; foco não é confiável para objetos em movimento.

“Girl on bike” com a D800E em f/1.8 1/125 ISO3200; foco não é confiável para objetos em movimento.

Na caixa o kit completo vem com hood plástico e sacola para carregar. Na frente os filtros de 58mm não giram e permitem o uso com polarizadores e ND variáveis, essenciais para usá-la totalmente abertura durante o dia. E atrás o mount é de metal com uma borracha de vedação, bacana para aumentar a confiança em situações difíceis. Tudo é simples, funcional e pequeno. Não é uma lente que fica na frente do fotógrafo atrapalhando o trabalho, e pode ficar no seu kit pelo resto da vida.



QUALIDADE DE IMAGEM

“>> FUTURE SHOP” em f/1.8 1/800 ISO3200.

“>> FUTURE SHOP” em f/1.8 1/800 ISO3200.

O projeto de sete elementos incluiu um novo vidro asférico para corrigir a curvatura da lente e garantir arquivos nítidos nas digitais de vários megapixels, principalmente nas bordas. Além disso a f/1.8G tem tratamento em praticamente todos os vidros, que a Nikon chama de “Integrated Coating”, aumentando o contraste e saturação das cores em comparação a antiga f/1.8D. Dependendo da correção por software, até dá para comparar os resultados das duas. Mas próximo da abertura máxima e com sensores muito novos, o investimento é certo: escolha a nova 50mm f1/.8G para ficar no seu kit. * Todas as fotos com a Nikon FX D800E.

“Girl in red pants” em f/1.8 1/200 ISO3200.

“Girl in red pants” em f/1.8 1/200 ISO3200.

Em f/1.8 eu tive uma enorme dificuldade em acertar o foco. Não sei se por inexperiência com a Nikon D800E (foi a minha primeira semana com elas), se por limitações do sistema phase (que não garante de fato o foco preciso abaixo de f/2), ou se de fato por causa do projeto “baratinho” da lente. O fato é que são poucas as fotos que eu tenho como opinar sobre a nitidez, se é alta ou não. Em objetos estáticos e não tridimensionais, sim, a nitidez é muito boa. Mas a profundidade de campo em abertura máxima é curta demais, e as chances de você ver o blooming, o desfoque acentuado, e uma sensação de “falta de detalhes” em ampliações é muito grande.

“Man at bus stop” em f/1.8 1/100 ISO3200.

“Man at bus stop” em f/1.8 1/100 ISO3200. Arquivo raw disponível no Patreon.

Crop 100%, mesmo em objetos estáticos o foco é imprevisível.

Crop 100%, mesmo em objetos estáticos o foco é imprevisível.

“Girl on phone” em f/1.8 1/125 ISO800; o jeito é usar o “(d)efeito” criativamente e brincar com os resultados.

“Girl on phone” em f/1.8 1/125 ISO800; o jeito é usar o “(d)efeito” criativamente e brincar com os resultados.

“|||” em f/1.8 1/640 ISO3200; uma coisa não dá para negar, a abertura f/1.8 foi feita para congelar os sujeitos a noite.

“|||” em f/1.8 1/640 ISO3200; uma coisa não dá para negar, a abertura f/1.8 foi feita para congelar os sujeitos a noite.

“Guy on skate” em f/1.8 1/500 ISO3200.

“Guy on skate” em f/1.8 1/500 ISO3200. Arquivo raw disponível no Patreon.

Crop 100%, pelo menos o que cair no plano focal tem nitidez aceitável.

Crop 100%, pelo menos o que cair no plano focal tem nitidez aceitável.

“Dashboard” em f/1.8 1/20 ISO800; profundidade de campo curta, um dos usos criativos da abertura máxima.

“Dashboard” em f/1.8 1/20 ISO800; profundidade de campo curta, um dos usos criativos da abertura máxima.

Fechando para f/2.8 a história muda completamente. Aqui a resolução sobe exponencialmente e mesmo em fotos tridimensionais, como prédios fotografados diretamente da rua, impressionam pela definição dos detalhes. Com tanta resolução dá para ver todos os tijolos e folhas nas árvores, como era de esperar. Mas o bacana mesmo é o contraste, alto em linhas retas e sem vazamento de luz ou aberrações cromáticas nos contornos. Neste aspecto fica claro o tratamento novo nos vidros, já que as f/1.8D ou f/1.2 Ai-S só resolvem estes problemas depois do f/4.



“Uptown” em f/2.8 1/320 ISO100.

“Uptown” em f/2.8 1/320 ISO100. Arquivo raw disponível no Patreon.

Crop 100%, resolução é de sobra em f/2.8.

Crop 100%, resolução é de sobra em f/2.8.

“Eaton” em f/2.8 1/400 ISO400.

“Eaton” em f/2.8 1/400 ISO400.

Crop 100%, detalhes na lateral esquerda do quadro.

Crop 100%, detalhes na lateral esquerda do quadro.

“Prefeitura” em f/2.8 1/500 ISO400.

“Prefeitura” em f/2.8 1/500 ISO400.

Crop 100%, não dá pra exigir muito além disto de uma prime. O_o

Crop 100%, não dá pra exigir muito além disto de uma prime. O_o

F/3.2 pra cima e a diferença está na profundidade de campo, que é curta nos 50mm no full frame. Feche bastante a lente para garantir fotos na rua com tudo em foco, sem o risco de detalhes fora de foco. O limite que eu fotografei foi o f/8 em razão da difração em f/6.3 da D800E, mas mesmo assim os resultados são excelentes. É uma objetiva moderna e complementa estes sensores de vários megapixels da linha atual FX 36MP e DX 24MP. Não lembro de ter visto vantagem nos arquivos da 50mm f/1.4G apesar de não tê-las testado lado a lado, e nem estava esperando.

“CN Tower” em f/6.3 1/800 ISO100.

“CN Tower” em f/6.3 1/800 ISO100.

Crop 100%, look da D800E é distinto, muito próximo do médio formato.

Crop 100%, look da D800E é distinto, muito próximo do médio formato.

“Glass” em f/1.8 1/500 ISO100.

“Glass” em f/1.8 1/500 ISO100. Arquivo raw semelhante disponível no Patreon.

Crop 100%, arquivos perfeitos de uma objetiva de US$199.

Crop 100%, arquivos perfeitos de uma objetiva de US$199.

“Toronto I” em f/6.3 1/200 ISO100.

“Toronto I” em f/6.3 1/200 ISO100. Arquivo raw disponível no Patreon.

Crop 100%, a reprodução de detalhes é incrível nesta câmera.

Crop 100%, a reprodução de detalhes é incrível nesta câmera.

“Toronto II” em f/6.3 1/160 ISO100.

“Toronto II” em f/6.3 1/160 ISO100.

Crop 100%, estes arquivos podem ser ampliados tranquilamente além dos dois metros.

Crop 100%, estes arquivos podem ser ampliados tranquilamente além dos dois metros.

Aberrações cromáticas são bem controladas e na abertura máxima, quando eu fotografei a noite, raramente vi qualquer problema com cores estranhas no desfoque ou em pontos diferentes ao redor do quadro. Só em fotos com muita luz no final da tarde eu vi problemas com CA secundário, com bolhas roxas em pontos de contraste. Mas são difíceis de encontrar no dia a dia e certamente bem menos que outras lentes de abertura ainda maior. Aqui está o grande atrativo das f/1.8: invariavelmente uma abertura menor terá menos vidro. Então as chances destes probleminhas típicos das grande aberturas acontecerem também será menor.



“Bimmer” em f/2.8 1/50 ISO400.

“Bimmer” em f/2.8 1/50 ISO400. Arquivo raw disponível no Patreon.

Crop 100%, CA secundário aparece em zonas de contraste.

Crop 100%, CA secundário aparece em zonas de contraste.

“Bike” em f/1.8 1/100 ISO100.

“Bike” em f/1.8 1/100 ISO100.

Crop 100%, CA axial, bolhas verdes no segundo plano em desfoque.

Crop 100%, CA axial, bolhas verdes no segundo plano em desfoque.

Cores e bokeh são um destaque a parte e razão do meu questionamento sobre este modelo não ser “melhor falado” por aí. Estas duas características são espetaculares! O bokeh está anos luz na frente das Canon 50mm f/1.8 e Sony DT 50mm f/1.8 SAM; e só foi igualado pela nova (e cara) Sony FE 50mm f/1.8 ZA. Ele é extremamente suave e colorido, muito mais próximo da Canon 50mm f/1.2L do que qualquer outra lente. Mas estamos falando de uma objetiva de entrada, com bem menos elementos e projeto simplificado. É o mesmo raciocínio da excelente AF-S 85mm f/1.8G.

“Tony” em f/1.8 1/60 ISO1600.

“Tony” em f/1.8 1/60 ISO1600. Arquivo raw disponível no Patreon.

Crop 100%, características do bokeh nas bordas do quadro.

Crop 100%, características do bokeh nas bordas do quadro.

“Big Gulp” em f/2.5 1/3200 ISO100.

“Big Gulp” em f/2.5 1/3200 ISO100. Arquivo raw disponível no Patreon.

Crop 100%, pontos de luz continuam redondos com abertura de 7 lâminas.

Crop 100%, pontos de luz continuam redondos com abertura de 7 lâminas.

 “Couple” em f/2.8 1/1000 ISO100.

“Couple” em f/2.8 1/1000 ISO100.

Crop 100%, nitidez perfeita apesar do CA axial grosseiro no segundo plano.

Crop 100%, nitidez perfeita apesar do CA axial grosseiro no segundo plano.

Crop 100%, bokeh um pouco confuso dependendo das distâncias de trabalho.

Crop 100%, bokeh um pouco confuso dependendo das distâncias de trabalho.

“Light Streaks” em f/6.3 0.60 ISO100; cores são saturadas diretamente da câmera.

“Light Streaks” em f/6.3 0.60 ISO100; cores são saturadas diretamente da câmera.

“Bokeh balls” em f/1.8 1/60 ISO640.

“Bokeh balls” em f/1.8 1/60 ISO640.

VEREDICTO

A Nikon está atualizando suas lentes para o que público em geral quer, como as imagens com profundidade de campo curta e o desfoque acentuado, o mais “cremoso” possível. E a AF-S 50mm f/1.8G foi um ótimo ponto de partida para a minha experiência com D800E, e com certeza um fator de peso para continuar investindo nesta marca. As comparações com as Canon que usei antes são inevitáveis, e francamente escancaram a “defasagem” dos projetos EF. As lentes para câmeras EOS pararam no tempo, com modelos datando duas décadas! Mas a Nikkor não, ela já atualizou toda a linha e a f/1.8G é o que devemos esperar (e exigir) de qualidade daqui pra frente. Wake up, Canon!