Nikon AF-S Nikkor 85mm f/1.8G

Sexy sem ser vulgar

Dezembro/2014 – A AF-S f/1.8G é a geração mais recente de Nikon 85mm. Chegando ao mercado dois anos depois da top f/1.4G, ela complementa a linha “intermediária” Nikkor com abertura f/1.8, com 2/3 de stop a menos, e menos vidro; portanto menos peso e preço, sem abrir mão do desempenho. Ela chegou no vlog do zack meses após o lançamento (2012) como a segunda prime testada na D800E, depois da 50mm f/1.8G. Seguindo a mesma lógica que eu fiz no full frame da Canon, experimentei as primes nas minhas distâncias mais usadas para extrair o máximo destes sensores de alta resolução, desempenho que só as fixas entregam. Quer uma prime para a sua FX de vários MP, sem abrir um rombo no orçamento? A AF-S 85mm f/1.8G é para você. (english)



CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO

Nikon AF-S Nikkor 85mm f/1.8G

Em 350g de 9 elementos em 9 grupos, a Nikkor 85mm f/1.8G é o ápice da modernidade em desenvolvimento mecânico. Ela é quase 30% mais leve que a Canon EF 85mm f/1.8 USM (425g) de mesma especificação, apesar da construção mais robusta e fácil de usar. Se eu já acho a AF-S 85mm f/1.4G (660g) super leve, ainda mais comparada ao porco EF 85mm f/1.2L II USM (1025g), vocês podem imaginar como os trezentos gramas da f/1.8G são “pornográficos” nas minhas mãos. A mágica por trás de um equipamento diminuto está nos compostos plásticos que dominam o projeto, apesar do mount de metal. Ela é leve sem ser frágil; sexy sem ser vulgar. :-D Bravo, Nikon!

Nikon AF-S Nikkor 85mm f/1.8G

A operação é simples como nas outras primes G, que eliminaram o controle mecânico de abertura e ficaram só com o anel de foco manual, que é bem construído apesar de “seco”. Tudo deve ser controlado pela câmera e a compatibilidade é total com as Nikon DSLR. O mesmo não pode ser dito das máquinas muito antigas de filme: o controle da abertura depende do sistema Ai na câmera, pós década de 70, então nem todas máquinas excelentes, por exemplo da linha “F”, aceitam esta objetiva. Mas é melhor que seja assim. Hoje em dia vale mais a praticidade do que os controles em excesso, e toda esta simplicidade colabora com o prazer de fotografar. Sobra para quem está atrás da câmera o único trabalho de compor e disparar.

Nikon AF-S Nikkor 85mm f/1.8G

Do lado de dentro o motor AF-S é do tipo SWM (silent wave motor), que é silencioso e não depende de um motor interno na câmera. Então sua D3#00 e D5#00 focarão sem problemas a 85mm f/1.8G. Testada na D800E, meu único corpo Nikon digital do kit, o sistema de 51 pontos fez um perfeito trabalho em garantir a precisão do foco mesmo em aberturas grandes como f/1.8 ou f/2. Nestas situações a profundidade de campo é mínima nos 85mm em praticamente qualquer distância focal mas o conjunto não errou nem uma vez na hora de travar o foco em objetos estáticos.

Nikon AF-S Nikkor 85mm f/1.8G

Mas infelizmente ele está longe de ser rápido. Enquanto o SWM é o mesmo tipo de  motor das objetivas topo de linha, como AF-S 24-70mm f/2.8G, ele simplesmente não acompanha a velocidade das tops. Nessa viagem do teste da 85mm f/1.8G eu usei também a EF 135mm f/2L USM, para matar duas cobras com uma paulada só. E era bizarra a diferença de foco entre as duas fabricantes. A Nikon era rápida, precisa, fácil de usar: só apertar o AF-ON na D800E que o foco era atingido. Mas na 5D Mark II e o ponto central junto da 135mm f/2L, o foco automático era outro bicho muito mais esperto, praticamente instantâneo, quase tão rápido quanto o movimento de “apertar” o botão na câmera. A f/1.8G é rápida, não confundam. Mas não é instantânea.

“Cavalo” com a D800E em f/1.8 1/250 ISO3200; para objetos relativamente lentos, o AF-S IF é mais que o suficiente.

“Cavalo” com a D800E em f/1.8 1/250 ISO3200; para objetos relativamente lentos, o AF-S IF é mais que o suficiente. Raw disponível para patrons.

Crop 100%, esta imagem só não é mais nítida por causa do ISO alto.

Crop 100%, esta imagem só não é mais nítida por causa do ISO alto.

Ainda há a função “full time manual”, e mesmo na posição “A” da alavanca M/A você pode fazer ajustes no foco se a câmera errar. A janelinha (“inha” mesmo) ainda está lá para certificar a distância de foco sem depender do “olhômetro”. Mas ela é tão pequena e difícil de ler que só dá pra ver o que acontece dentro da lente se você olhar bem de cima o equipamento. Não entendo a lógica de fazer um detalhe tão pobre e seria melhor que tivessem deixado a janela fora do design; ou inventado outro meio de mostrar a distância, como por um valor eletrônico no LCD da máquina. Alias, por que ninguém fez isso até hoje vai além da minha compreensão.

Nikon AF-S Nikkor 85mm f/1.8G

Na frente os filtros de ø67mm são pequenos e acessíveis nas principais fabricantes, e o hood tubular (incluído) prende num thread específico, ao redor do elemento frontal. Não que esta lente precise dele já que nenhuma das minhas fotos, sem o hood, sofreu com flare. E atrás temos uma borracha que protege o mount de água e poeira, apesar da Nikon não declarar de fato uma vedação aka “weather sealing”. Ou seja, não recomendo testar a sorte sob chuva pesada.



QUALIDADE DE IMAGEM

“O” com a D800E em f/4 1/80 ISO1600.

“O” com a D800E em f/4 1/80 ISO1600.

Sem qualquer elemento exótico ED, sem qualquer firúla do tipo nano coating, e sem qualquer projeto especial “asférico”, a AF-S 85mm f/1.8G depende exclusivamente da expertisé Nikon em fabricar objetivas primes de grande abertura desde 1949! E este modelo lançado em 2012 trouxe pela primeira vez numa 85mm Nikkor um conjunto com nove elementos ópticos, responsáveis por entregar resolução especificamente para quem trabalha no digital, com resultados visivelmente superiores as objetivas anteriores, sem um preço muito mais alto ou uma operação complicada. Temos uma das melhores objetivas do mercado em termos de qualidade óptica, que faz jus a um lançamento da “geração D800”. Todas as fotos com a Nikon D800E.

“Jay Pritzker Pavilion” em f/4 1/400 ISO400.

“Jay Pritzker Pavilion” em f/4 1/400 ISO400.

Crop 100%, resolução impensada no sistema 135 antes do lançamento da D800E.

Crop 100%, resolução impensada no sistema 135 antes do lançamento da D800E.

Logo a partir de f/1.8 a resolução é excelente no quadro todo, com contraste perfeito no miolo do full frame e um pouquinho pior nas bordas, que destrói de leve a nitidez. É bem de leve mesmo porque eu julgo esta uma das objetivas mais nítidas que já usei na D800E; melhor que as duas 50mm (f/1.4 e f/1.8), e melhor que a própria 85mm f/1.4G que custa 3x mais. Alias, risquem tudo isto. A 85mm f/1.8G é das lentes mais nítidas que já usei no vlog, ever!

“Tow zone” em f/1.8 1/200 ISO1600.

“Tow zone” em f/1.8 1/200 ISO1600. Raw disponível para patrons.

Crop 100%, O_o O_o este é um corte do lado esquerdo; re-so-lu-çã-o totalmente aberta. O_o

Crop 100%, O_o O_o este é um corte do lado esquerdo; re-so-lu-çã-o totalmente aberta. O_o

“Mercedes” em f/1.8 1/2500 ISO100.

“Mercedes” em f/1.8 1/2500 ISO100. Raw disponível para patrons.

Crop 100%, outro exemplo absurdo de detalhes em abertura máxima.

Crop 100%, outro exemplo absurdo de detalhes em abertura máxima.

“PARK” em f/1.8 1/160 ISO800.

“PARK” em f/1.8 1/160 ISO800.

Crop 100%, é bem difícil encontrar o ponto focal com a profundidade de campo tão curta.

Crop 100%, é bem difícil encontrar o ponto focal com a profundidade de campo tão curta.

De negativas são as CAs longitudinais (primária e secundária) fortíssimas em abertura máxima e muita luz, que criam cores estranhas no primeiro e segundo planos do desfoque que não existem na realidade (primário). E bolhas roxas em pontos de luz, notavelmente peças cromadas (secundário). É tão forte que mesmo em correção máxima na função “defringe” do Adobe Camera Raw ainda sobram umas bolhas coloridas no bokeh. Nem fechando para f/5.6 estes problemas somem então prepare-se para dar um tratamento manual aos arquivos antes de impressões gigantes. É o preço que (não) se paga por uma objetiva “acessível” sem vidros especiais.

“Hora do almoço” em f/1.8 1/800 ISO100.

“Hora do almoço” em f/1.8 1/800 ISO100.

Crop 100%, excelente resolução, desgraçada aberração.

Crop 100%, excelente resolução, desgraçada aberração.

“Patos” em f/1.8 1/2000 ISO100.

“Patos” em f/1.8 1/2000 ISO100. Raw disponível para patrons.

Crop 100%, CA longitudinal é tão forte que nem a correção máxima do Photoshop (direita) resolve o problema.

Crop 100%, CA longitudinal é tão forte que nem a correção máxima do Photoshop (direita) resolve o problema.

“Stella” em f/1.8 1/500 ISO100.

“Stella” em f/1.8 1/500 ISO100. Raw disponível para patrons.

Crop 100%, aberração secundária em itens cromados

Crop 100%, aberração secundária em itens cromados

“Park Monroe” em f/5 1/400 ISO100.

“Park Monroe” em f/5 1/400 ISO100.

Crop 100%, nem em f/5 as aberrações vão embora.

Crop 100%, nem em f/5 as aberrações vão embora.

“_u_d_o” em f/5 1/160 ISO100, problema resolvido, conversão P&B do arquivo. :-D

“_u_d_o” em f/5 1/160 ISO100, problema resolvido, conversão P&B do arquivo. :-D

Também é em f/5.6 que está o limite teórico da D800E antes da difração tirar parte da nitidez dos detalhes, e portanto não fiz exposições além deste valor. Mas temos aqui sinceramente as fotos mais detalhadas do vlog do zack por causa da ausência do efeito anti-aliasing do filtro low pass nesta câmera. São informações absurdas em texturas simples como concreto; ornamentos de prédios a distância; as placas dos carros no trânsito… É realmente aquela “sensação” de médio formato com tanta informação nas imagens, desta vez num sistema compacto e fácil de usar.



“City View” em f/5.6 1/400 ISO100.

“City View” em f/5.6 1/400 ISO100. Raw disponível para patrons.

Crop 100%, Nikon extrapolando qualquer necessidade de resolução com estes arquivos em 100%. :-D

Crop 100%, Nikon extrapolando qualquer necessidade de resolução com estes arquivos em 100%. :-D

“Jack” em f/5.6 1/250 ISO200.

“Jack” em f/5.6 1/250 ISO200. Raw disponível para patrons.

Crop 100%, placas na distância são nítidas, perfeitas.

Crop 100%, placas na distância são nítidas, perfeitas.

“Facade” em f/5.6 1/250 ISO100.

“Facade” em f/5.6 1/250 ISO100.

Crop 100%, ampliações para galeria com os 36MP da D800E.

Crop 100%, ampliações para galeria com os 36MP da D800E.

“Relógio” em f/5.6 1/1000 ISO100.

“Relógio” em f/5.6 1/1000 ISO100. Raw disponível para patrons.

Crop 100%, todos os sujeitos saem com excesso de detalhes desta lente.

Crop 100%, todos os sujeitos saem com excesso de detalhes desta lente.

“usa” em f/4 1/2000 ISO400.

“usa” em f/4 1/2000 ISO400.

Crop 100%, contraste é perfeito para realçar os detalhes.

Crop 100%, contraste é perfeito para realçar os detalhes.

“)))” em f/5.6 1/125 ISO320.

“)))” em f/5.6 1/125 ISO320.

Crop 100%, elementos gráficos ganham outra dimensão com tanta nitidez.

Crop 100%, elementos gráficos ganham outra dimensão com tanta nitidez.

“Art Institute” em f/4 1/640 ISO400.

“Art Institute” em f/4 1/640 ISO400.

Crop 100%, mesmo composições tridimensionais saem nítidas em aberturas menores.

Crop 100%, mesmo composições tridimensionais saem nítidas em aberturas menores.

Cores infelizmente não foram das mais fantásticas no teste porque a sombra azulada do final de inverno em Chicago desaturaram as cenas. O máximo de “colorido” que eu achei foi uma McLaren 12C passando na rua ou uma decoração brega de luzes na calçada. Mas definitivamente os arquivos são mais puxados para o “frio”, e um pouco desequilibrados em relação a outras AF-S que já testei no vlog. Nem a vinheta em abertura máxima colaborou para tons mais quentes.

“12C” em f/1.8 1/4000 ISO100, cores saturadas, quando elas acontecem.

“12C” em f/1.8 1/4000 ISO100, cores saturadas, quando elas acontecem.

“luz” em f/1.8 1/125 ISO100, note também a qualidade do desfoque.

“luz” em f/1.8 1/125 ISO100, note também a qualidade do desfoque. Raw disponível para patrons.

"bokeh" em f/1.8 1/250 ISO100; desempenho do desfoque na 85mm Nikkor é excelente para isolar o sujeito.

“bokeh” em f/1.8 1/250 ISO100; desempenho do desfoque na 85mm Nikkor é excelente para isolar o sujeito.

“503CW” em f/1.8 1/320 ISO1600, vinheta pode ser acentuada em abertura máxima e condições de luz não ideais.

“503CW” em f/1.8 1/320 ISO1600, vinheta pode ser acentuada em abertura máxima e condições de luz não ideais. Raw disponível para patrons.

“Cloud Gate” em f/1.8 1/250 ISO400.

“Cloud Gate” em f/1.8 1/250 ISO400.

VEREDICTO

Enfim uma objetiva pouco comentada no mercado porque o preço não chama atenção. Mas sem dúvidas é dos equipamentos mais claros/nítidos que já vimos por aqui, com defeitos ópticos super característicos que até dão para superar com um pouco de planejamento. Una a isso a operação simples e o peso mínimo e temos uma favorita no kit. Infelizmente me desfiz desta objetiva na troca pela AF-S 85mm f/1.4G. Porém se você precisa poupar e não quer abrir mão do desempenho topo de linha, não se engane: esta é uma das melhores lentes para sua Nikon digital. Boas fotos!