Nikon AF-S Nikkor 20mm f/1.8G

Grande angular, grande abertura, grande performance

Assine o www.vimeo.com/ondemand/vlogdozack (link direto) para assistir este review em vídeo. Dúvidas sobre o equipamento? Eu posso te ajudar via mensagem no facebook.com/vlogdozack/

Outubro/2015 – Apresentada em setembro de 2014, a AF-S 20mm f/1.8G é uma atualização na linha Nikkor da distância focal ultra grande angular fixa, a primeira em 20 anos desde a Nikkor AF 20mm f/2.8D de 1990. Com um novíssimo projeto óptico ED e cobertura Nano Crystal, o destaque é a abertura f/1.8, 1.3 stop maior que a versão anterior que seguia o projeto óptico original de 1980. Eu nem conhecia a especificação no full frame e pensei que wide assim, pelo menos em milímetros, era só a Sigma 18-35mm f/1.8 DC HSM para o APS-C. Mas a 20mm completa a linha “f/1.8G prime FX” da Nikon e fui testá-la por sugestão de vocês. Será que valeu a pena? Vejamos! (english)

CONSTRUÇÃO E OPERAÇÃO

Nikon AF-S Nikkor 20mm f/1.8G

Em 357g de 81x78mm, a AF-S 20mm f/1.8G passa a mesma sensação de robustez e prazer de usar da Nikon que vocês já estão carecas de ler/ouvir de mim. Para quem vem das antigas, o corpo inteirinho de plástico pode parecer “porcaria”, talvez um downgrade as Ai-S de metal das décadas de 70 e 80, mas ele não é. Do lado de dentro os projetos continuam com trilhos metálicos e rolamentos de nylon, suaves e duráveis, apesar do lado de fora contar com a cobertura plástica para absorver impactos, não riscar e ser leve.

Nikon AF-S Nikkor 20mm f/1.8G

O design é clássicão com um único tubo externo, anel de foco, botão MA/M do lado esquerdo, tag de especificação em cima e janela de distância. Ela cresce levemente do F-mount até o thread de filtros de ø77mm na frente, bacana para usá-la com ND graduados e polarizados. O lema “menos é mais” é o que a Nikon tem feito de melhor e a experiência idêntica em todas distâncias focais é fenomenal. Para quem está acostumado com as “G”, é só montar na câmera e sentir-se em casa, dos 20mm aos 85mm f/1.8 FX.

Nikon AF-S Nikkor 20mm f/1.8G

Do lado de dentro o mesmo sistema AF-S com SWM das outras G é silencioso e relativamente rápido. Mas infelizmente o anel de foco manual não acompanha o primor que experimentei na AF-S 58mm f/1.4G, e usá-lo irrita bastante. Há uma folga notável entre o movimento do anel e o grupo de foco que torna impossível ajustes precisos na distância mínima de 0.20cm. Focar com profundidade de campo curta em f/1.8 se torna um inferno: vai, volta, a objetiva não mexe, volta muito, o ponto sai de foco, vai, ela não mexe, volta demais… É cômico pra não dizer trágico. Mas lembrando o preço de US$796, é só trágico mesmo. Quem grava vídeo com focus pull, esqueça.

Nikon AF-S Nikkor 20mm f/1.8G

E é só isso. Com motor SWM, construção de plástico e filtros na frente, não tem nada de exótico nesta AF-S exceto a distância focal. Mas os 20mm são muito mais dramáticos que os 24mm e recomendo para completar o kit de 35mm, 50mm e 85mm, todos FX f/1.8G. Esta é a linha “f/1.8G” acessível intermediária Nikkor (não f/1.4) que nenhum outro fabricante oferece. É um kit prime flexível, com uma proposta clara, fácil de entender, abaixo dos US$1000 e moderno. Vindo da Canon que tem uma linha antiga (85mm f/1.8 de 1992) e/ou confusa (35mm f/2 IS por US$899 no lançamento?), a impressão é que a Nikon sabe o que está fazendo e dá pra confiar no futuro.

QUALIDADE DE IMAGEM

“Atlas(1937)” em f/4 1/200 ISO2800.

“Atlas(1937)” em f/4 1/200 ISO2800. Todas as fotos com a Nikon D750; arquivos raw disponíveis no Patreon.

O projeto de 13 elementos em 11 grupos com duas peças ED, duas peças asféricas e coating Nano Crystal é digno do topo de linha da Nikkor, e o preço de US$796, o mais alto do kit “f/1.8G”, revela ambições além do usuário “prosumer” para a AF-S 20mm de 2014. O resultado é espetacular: alta performance em f/1.8 no dia a dia; imagens tecnicamente perfeitas de f/2.8 pra cima; contraste impecável em qualquer abertura; e controle de aberrações incomum para o preço. De todas as grande angulares de grande abertura que já usei, em qualquer marca, esta Nikon é a melhor.

“Manhattan” em f/1.8 1/200 ISO640.

“Manhattan” em f/1.8 1/200 ISO640.

Sinceramente em f/1.8 eu não vi perda de resolução significativa nas imagens que me dessem medo de usá-la em abertura máxima. Sim, o MTF chart da Nikon e alguns sites mostram uma melhora significativa de f/2.8 pra cima, mas isto não quer dizer que o f/1.8 tenha algum impacto negativo nas fotos. Nas bordas ela até sofre com o saggital coma flare, assunto em voga desde a análise da AF-S 58mm f/1.4G, o que limita um pouco o uso para astrofotografia em abertura máxima. Mas é só nas bordas mesmo, numa faixa de 1% ao redor do quadro, e não tira a magia do look grande angular e de um bom sujeito/composição.

“Landmark” em f/1.8 1/200 ISO1100.

“Landmark” em f/1.8 1/200 ISO1100.

Crop 100%, detalhe do centro, praticamente zero blooming.

Crop 100%, detalhe do centro, praticamente zero blooming.

“American Progress (1937)” em f/1.8 1/200 ISO560.

“American Progress (1937)” em f/1.8 1/200 ISO560.

Crop 100%, resolução continua alta apesar da abertura máxima.

Crop 100%, resolução continua alta apesar da abertura máxima.

“Station” em f/1.8 1/1000 ISO160.

“Station” em f/1.8 1/1000 ISO160.

Crop 100%, dá pra ver a poeira no vidro atrás do neón. O_o

Crop 100%, dá pra ver a poeira no vidro atrás do neón. O_o

Fechando a abertura para f/2, f/2.8 e f/4 a principal diferença fica para a vinheta reduzida, que deixa o quadro mais claro nas bordas. Fotos em pouca luz em f/1.8 tem uma aparência “voyeur” com a atenção no centro, mais luminoso, e dependendo da direção de arte da foto, o resultado é bonito e orgânico. Mas aberrações como vazamentos de luz internos (blooming), aumento de contraste e resolução, que são praxe em outras grande angulares de f/2 pra baixo (Canon e Sigma 24mm f/1.4, estou falando com vocês), não acontecem na Nikkor AF-S 20mm.

“Concourse” em sequência de exposição; note como a vinheta é corrigida.

“Concourse” em sequência de exposição; note como a vinheta é corrigida.

“Arcade II” em f/8 1/200 ISO450.

“Arcade II” em f/8 1/200 ISO450.

Crop 100%, a nitidez é tão alta que a foto ganha uma aparência vetorial.

Crop 100%, a nitidez é tão alta que a foto ganha uma aparência vetorial.

“->” em f/11 1/200 ISO500.

“->” em f/11 1/200 ISO500.

Crop 100% nitidez impecável na longa profundidade de campo.

Crop 100% nitidez impecável na longa profundidade de campo.

“Flag II” em f/14 1/200 ISO1250.

“Flag II” em f/14 1/200 ISO1250.

Crop 100%, textura perfeita no canto inferior direito.

Crop 100%, textura perfeita no canto inferior direito.

Só as aberrações cromáticas laterais aparecem nas bordas do quadro, mas, qualquer processador de imagens ou DSLR moderna consegue corrigí-las com perfeição. Até a distorção geométrica é uma surpresa pela correção quase perfeita opticamente sem intromissão de software, apesar do grande angular. Linhas arquitetônicas e o horizonte ganham uma leve aparência de bolha no quadro, mas no geral o papel de uma prime grande angular é bem feito neste projeto Nikon.

“Manhattan II” em f/1.8 1/200 ISO7200; horizonte levemente torto.

“Manhattan II” em f/1.8 1/200 ISO7200; horizonte levemente torto.

Crop 100%, saggital coma flare! \o/

Crop 100%, saggital coma flare! \o/

Crop 100%, mas performance é excelente para o f/1.8, não?

Crop 100%, mas performance é excelente para o f/1.8, não?

“ATOMIC” em f/8 1/1250 ISO160.

“ATOMIC” em f/8 1/1250 ISO160.

Crop 100%, worst case scenario de CA lateral; discreto.

Crop 100%, worst case scenario de CA lateral; discreto.

“LEVITON” em f/8 1/200 ISO250; cadê a distorção geométrica?

“LEVITON” em f/8 1/200 ISO250; cadê a distorção geométrica?

Crop 100%, outro exemplo de CA lateral.

Crop 100%, outro exemplo de CA lateral.

VEREDICTO

No final a AF-S 20mm f/1.8G é uma surpresa pra mim porque 1) eu nem conhecia a especificação, 2) eu não achei tão cara considerando a distância focal/ abertura e 3) opticamente ela é perfeita. Hoje, 16/10/15, até a Sigma entrou no jogo com a 20mm f/1.4 DG Art HSM, deixando só a Canon de fora sem uma resposta a altura. Mas a Sigma é um “projeto ostentação” com 15 elementos (!), 949 gramas (!), e abertura f/1.4, a primeira do mundo nesta distância focal, enquanto a Nikkor fica no topo em usabilidade, tamanho e peso. Se você fotografa nesta distância, é das melhores opções que eu já usei. Coloque na lista de compras para ontem e boas fotos!